Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
lvaro Ricardo Azevedo Andrade Filho - 21/05/2016

Priso civil

Compartilhar:

O Artigo 5º, LXVII, da Constituição Federal prescreve que “não haverá prisão civil por dívida, salvo a do responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de obrigação alimentícia e a do depositário infiel”.

A ideia principal transmitida pela nossa Constituição é a da excepcionalidade da prisão civil.

Nesse compasso, a “sanção”, pelo descumprimento de qualquer “obrigação civil”, não poderá ser a prisão, salvo quando relacionada a alimentos.

Embora o texto da nossa Carta Magna se referia, também, à prisão do depositário infiel, é preciso deixar claro que o Supremo Tribunal Federal afastou essa possibilidade, após a subscrição pelo Brasil do Pacto do Pacto São José da Costa Rica (RE 466.343).

Com efeito, foi editada a Súmula Vinculante nº 25 pela mais Alta Corte brasileira, in verbis: “é ilícita a prisão civil de depositário infiel, qualquer que seja a modalidade do depósito”.

Partindo dessa premissa, um dos problemas mais angustiantes do Direito de Família concerne ao drama do manejo da prisão como forma de forçar o devedor de alimentos a adimplir a sua obrigação.

Nesse tormentoso litígio, é possível fazer duas análises diferentes. Na primeira, temos a situação do credor dos alimentos (alimentado), que precisa dos alimentos para a sua sobrevivência. Por outro lado, há o devedor (alimentante), embora, de fato, o responsável pelo pagamento da obrigação (de alimentos) muitas vezes não dispõe de meios para fazê-lo.

Dessa forma, poderá amargar até 3 (três) meses na prisão (Artigo 528, §3º, do Novo Código de Processo Civil).

Trata-se, ainda, de resquício do tempo da prisão civil do vetusto Direito Romano (Lei das XII Tábuas – ano 450 a.C.), onde o devedor suportava, com o seu próprio corpo, a pena pelo inadimplemento de qualquer obrigação.

Indaga-se, com isso, se ainda justifica a manutenção deste arcaico instituto jurídico que sobrevive, apenas, para uma única espécie obrigacional (a de alimentos).

Seria um retrocesso reconhecer a sua validade frente ao princípio da dignidade da pessoa humana (Artigo 3º, III, da Constituição Federal) ou mesmo dos Direitos Humanos do devedor? Isso porque, muitas vezes, não há o pagamento, em razão de o devedor, simplesmente, estar arruinado economicamente, pois está falido ou desempregado, não tendo o bastante nem para a sua própria subsistência!

Aliás, ainda, é preciso ter em perspectiva a terrível crise financeira que, atualmente, assola o país, fazendo com que muitas pessoas sejam arrojadas em inesperadas complicações socioeconômicas.

Haveria tratamento equânime e isonômica, perante a lei, à medida que, geralmente, é a população carente que se sujeita a essa modalidade de prisão?

Enfim, seria justo manter essa prisão civil por dívida de alimentos?

Sensível a isso, já se formou precedente no Superior Tribunal de Justiça, afastando a aplicação da prisão civil do devedor “em situações de penúria” (HC 285.502-SC – Informativo 573 do STF). Seria essa uma tendência?

O tempo dirá, pois o direito está sempre em constante evolução! 

(*) Defensor público do Estado de Minas Gerais; membro do IBDFAM de Uberaba
ibdfamnucleouberaba@gmail.com




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018