JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 15 de novembro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

A fascinação pelo lucro

Ao longo de uma atribulada vida pública, Paulo Maluf foi alvo de investigações...

- Por Aristóteles Atheniense Última atualização: 24/03/2016 - 19:36:54.

Ao longo de uma atribulada vida pública, Paulo Maluf foi alvo de investigações, tanto no Brasil como no exterior. Mediante subterfúgios e patronos talentosos, conseguiu desfazer-se das graves suspeitas que recaíram sobre sua pessoa, conservando invejável prestígio político e um eleitorado fiel.

Dotado de uma rara capacidade de sedução, logrou aproximar-se de tradicionais adversários, como sucedeu na aliança feita com Lula na eleição de Fernando Haddad.

Como sempre esteve próximo do governo, tornou-se prefeito e governador de São Paulo, exercendo sucessivos mandatos legislativos, trocando de siglas partidárias segundo as suas conveniências.

Sobre ele e seus familiares sempre pairou a desconfiança, que ganhou maior expressão à época em que foram descobertas as empresas que mantinha na ilha de Jersey, paraíso fiscal britânico no Canal da Mancha, mantidas à custa do desvio de US$22 milhões, oriundos de recursos provenientes da construção de obras.

Em 2015, a Corte de Apelação do Reino Unido sujeitou-o a restituir à Prefeitura paulista o valor arrebatado dos cofres da municipalidade. Inobstante a repercussão que o fato teve, Maluf jurou inocência com a mesma desfaçatez que anunciou existir petróleo no seu estado natal...

Em todas as condenações surgidas, o parlamentar sempre reiterou a assertiva de que as quantias de que se apossou tinham origem lícita e foram tributadas regularmente.

Atualmente responde a processos instaurados pela Procuradoria-Geral da República, em curso no STF, por crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Também pende de solução uma ação de improbidade administrativa na 4ª Vara da Fazenda Pública da capital paulista.

No mês passado, veio à tona a notícia de que Maluf, esposa e filho foram condenados, em outubro de 2015, na 11ª Câmara Criminal de Paris. A ação penal foi consequente de lavagem de dinheiro no montante de US$1,7 milhão, quando da construção do túnel Ayrton Senna e da avenida Água Espraiada.

Este valor foi depositado no banco francês Crédit Agricole, conforme prova feita em ação conjunta pelo Ministério Público Federal e o Ministério Público Estadual.

Maluf e seu filho Flávio foram condenados a três anos de prisão e ao pagamento da multa de 200 mil euros para cada um. já a esposa Sylvia foi apenada com dois anos de prisão, sendo compelida a proceder à restituição de 100 mil euros.

Segundo os advogados do parlamentar (PP-SP), já foi interposta apelação, estando os réus seguros de que serão absolvidos na instância recursal.

O cinismo de Paulo Maluf, aliado ao seu menoscabo à condenação imposta, extravasa os limites da moralidade. Basta lembrar que, em 1986, numa entrevista concedida à “Folha de SP”, não teve pejo em afirmar, após tomar conhecimento de mais uma sentença condenatória: “Eu sou um Davizinho contra os Golias do Brasil”.

É surpreendente que o conhecido político – ao que se sabe – não esteja sendo, até agora, investigado no escândalo da Lava Jato... 

(*) Advogado e Conselheiro Nato da OAB, diretor do IAB e do IAMG, presidente da AMLJ
www.facebook.com/aristoteles.atheniense
Blog:
www.direitoepoder.com.br
Twitter: @aatheniense

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia