Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Aristteles Atheniense - 10/03/2016

As ameaas de Kim Jon-un

Compartilhar:

Tornaram-se frequentes os incidentes entre as duas Coreias, devido à falta de acordo sobre a localização da fronteira marítima no Mar Amarelo.

Com o teste nuclear ocorrido em 6 de janeiro passado e o lançamento de um míssil, Barack Obama anunciou o emprego de um sofisticado sistema de defesa antimíssil para responder à ameaça de Seul.

Esses acontecimentos concorreram para uma reunião imediata do Conselho de Segurança da ONU, que aprovou sanções destinadas a conter as violações cometidas em Pyongyang.

Kim Jon-un divulgou o teste nuclear realizado, qualificando-o como sendo “uma medida de autodefesa para defender a paz de maneira eficaz na península coreana e a segurança nacional, ante os riscos de guerra nuclear provocados pelos imperialistas liderados pelos Estados Unidos”.

Em outras palavras, tratava-se do “direito legítimo de um Estado soberano, de uma ação justa que ninguém pode criticar”.

Embora o anúncio do satélite de observação terrestre fosse condenado pela comunidade internacional, alguns especialistas duvidaram que a arma utilizada fosse realmente uma bomba de hidrogênio, conforme o caricato ditador pretendia que o mundo acreditasse.

Ainda que a Coreia do Norte tenha direito a uso pacífico do espaço, esta prerrogativa está limitada às resoluções do Conselho de Segurança da ONU, sem que as bravatas de Kim Jon-un contem sequer com o apoio do ministro de Relações Exteriores da China, Hua Chunying, país que é o mais importante aliado dos coreanos do Norte.

Obama não se surpreendeu com o lançamento do foguete, em se tratando de provocação partida de um regime autoritário, justificando esse comportamento como manifestação de que o governo norte-coreano não irá renunciar às suas ambições nucleares.

A Coreia do Norte, ao mesmo tempo em que afirma não ter intenções beligerantes, anunciou em 2015 que o país conta com armas suficientes para destruir os Estados Unidos num único golpe e transformar a sua capital em cinzas.

Em 1988, um relatório produzido na Rússia revelou que os mísseis exibidos pelos norte-coreanos em desfile militar realizado em Moscou tinham finalidade apenas cenográfica, prestando-se somente a assustar a Casa Branca.

Justin McCurry, em artigo publicado no jornal “The Guardian”, sob o título “Get a socialist haircut, North Korea tells men” (12.1.2005), revelou que, em 2004, o governo de Seul lançou uma campanha de educação estética intitulada: “Vamos cortar o cabelo de acordo com o estilo de vida socialista”. Este propósito foi divulgado pela TV estatal e na agência KCNA, enfatizando que o comprimento excessivo dos cabelos tem efeitos negativos sobre a inteligência humana. “Cabelo comprido consome nutrientes demais e, assim, poderá roubar a energia do cérebro”.

Desde então, a começar do presidente Kim Jon-un, tornou-se obrigatório o corte de cabelo a cada quinze dias, segundo os 18 modelos instituídos para as mulheres e dez para os homens. Com isto, seria cumprida a determinação do governo, o que repercutiria “favoravelmente no aprimoramento da energia intelectual do povo”.

(*) Advogado e Conselheiro Nato da OAB, diretor do IAB e do iamg, presidente da AMLJ
www.facebook.com/aristoteles.atheniense
Blog:
www.direitoepoder.com.br
Twitter: @aatheniense

 




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018