Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Eduardo Ramos & Marcelo Guarit - 31/08/2015

A Contribuio Sindical Rural no tempo (CNA)

Compartilhar:

 A Contribuição Sindical Rural no tempo (CNA)

A contribuição sindical rural, dentre outros, é mais um tributo velho conhecido daqueles que exploram de alguma forma a atividade rural, pessoas físicas e jurídicas, e que deve, uma vez ao ano, ser recolhida para a Confederação Nacional da Agricultura.

Sua cobrança, inicialmente realizada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA, desde o ano de 1.994, com o advento da Lei n° 8.847, passou a ser de competência da CNA, que inclusive tem demandado com frequência no Poder Judiciário, para reivindicar dos produtores rurais o pagamento dos últimos 05 (cinco) anos, quando em aberto.

Inobstante a regularidade da cobrança judicial, haja vista que a CNA tem atualmente capacidade jurídica para promovê-la, é importante, no caso a caso, avaliar detalhadamente o memorial de cálculo apresentado para fundamentar a incidência de multa e juros moratórios sobre o período em que esteve o tributo vencido.

Na grande maioria das cobranças judiciais em curso, os valores lançados a título de multa e juros têm se mostrado exorbitantes, ultrapassando consideravelmente a quantia devida pela contribuição sindical rural em si, e pior, de maneira equivocada e ilegal.

É que nesses casos, a CNA aplica legislação que determina a imposição de penalidades mais severas, a título de multa e juros, em especial aquelas prescritas na Consolidação das Leis do Trabalho. Contudo, vale ressaltar que o tema possui legislação específica e, que, portanto, deve ser aplicada em homenagem a princípios básicos de direito, especificamente pela predominância de lei específica sobre a geral.

A boa notícia é que na legislação específica têm-se penalidades muito mais brandas, o que pode refletir em diferença real no valor global do débito devido. E melhor, o Poder Judiciário já sumulou este entendimento em favor dos Contribuintes. Portanto, vale a observação para fazer valer o direito da categoria, seja mediante acordo para minimizar a imposição indevida dos juros e multa ou se necessário, através de defesa no processo de cobrança.


*Eduardo Ramos Viçoso Silva é advogado formado pela Faculdade de Direito do Instituto Presbiteriano Mackenzie, com atuação nas áreas societária e tributária, e membro do escritório Peluso, Stüpp e Guaritá Advogados (eduardo@psg.adv.br).
* Marcelo Guaritá B. Bento é advogado e mestre em Direito do Estado pela PUC/SP, membro da ABDT – Academia Brasileira de Direito Tributário, Membro do Departamento Jurídico da Sociedade Rural Brasileira, e sócio do escritório Peluso, Stüpp e Guaritá Advogados (marcelo@psg.adv.br).

 

 

 




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018