Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Dom Paulo Mendes Peixoto - 11/07/2015

Perigo da omisso

Compartilhar:

Diante da leva de afrontas que pairam sobre a nova cultura, dos conflitos engenhados e da subjetividade dos conceitos que cada indivíduo procura defender, não podemos ficar numa posição de desavisados, de desconectados com os princípios que asseguram uma realização sustentável. Corremos o risco da omissão, principalmente porque “quem cala consente”, diz o ditado popular.

Nos dizeres do papa Francisco, o mundo necessita muito de conversão, de atitudes mais coerentes com a realidade da pessoa humana. No respeito pela liberdade, Deus chama e envia as pessoas contando com seu maduro discernimento para conquistar o bem. E não há acepção na escolha. Todos os filhos são passíveis do agir paterno do Pai, que ama a todos sem distinção.

Uma das causadoras dos males no mundo é a conquista de interesses egoístas. Quem age assim não consegue degustar e nem acolher a docilidade proporcionada pela Palavra de Deus. O mal incomoda e provoca reação por parte de quem tem a dimensão do bem. Não agir é ser conivente com uma realidade em questão.

Questões preocupantes no momento: maioridade penal, ideologia de gênero e flexibilização da lei do desarmamento. Dependendo das decisões e da prática como serão conduzidas, as consequências poderão ser drásticas para o futuro. Quanto à maioridade penal, o que precisa ser feito é colocar em prática as leis socioeducativas e penalizar com gravidade quem usa de menores para praticar crimes.

A ideologia de gênero nas escolas, da forma como tem sido colocada, é uma afronta aos pais, mesmo eles não tendo total habilidade para tratar do assunto, e aos educadores. Não é saudável complicar a mente das crianças no ambiente educativo, aproveitando o fato delas estarem longe dos olhares de seus pais.

A flexibilização da lei do desarmamento pode causar uma sociedade do terror. O assaltante vai agir com muito mais violência porque a vítima pode estar armada. Creio que o caminho não é esse, mas o de uma política de mais investimento na segurança pública, no controle das armas e no combate ao tráfico. 

(*) Arcebispo de Uberaba




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018