JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 22 de outubro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

As fezes e a pedra filosofal

Navegando à procura de notícias, deparei-me com duas pérolas da ciência

- Por Valdemar Hial Última atualização: 01/04/2015 - 20:16:55.

Navegando à procura de notícias, deparei-me com duas pérolas da ciência contemporânea que têm relações com a pedra filosofal.

A primeira diz: “Fezes humanas contêm ouro e outros metais preciosos que poderiam valer centenas de milhões de dólares. Um estudo recente realizado por um grupo de especialistas, nos Estados Unidos, constatou que os resíduos de um milhão de americanos poderiam conter até 13 milhões de dólares em metais”. Infelizmente, meus conhecimentos de química e bioquímica não me permitem saber como o nosso organismo poderia sintetizar ouro.

A segunda refere-se ao tema: “Expectativa de vida para 500 anos. Um neurocientista quer transformar isso em algo plausível. Até o momento, foram investidos 425 milhões de dólares em tecnologias médicas para modificar o DNA e prolongar a vida. Todo esse investimento foi feito apenas em 2015. O criador do ambicioso projeto, no entanto, divulga poucas informações sobre seu plano”.

Portanto, não estamos longe do sonho dos alquimistas, de obterem a pedra filosofal (ouro e vida longa), como relatei em outra ocasião.

Unindo essas duas notícias, podemos fazer algumas lucubrações.

Por exemplo, quanto mais tempo vivermos, mais fezes serão produzidas e, consequentemente, mais ouro. Do jeito que está nossa economia, será possível recuperá-la com as merdas das pessoas que a esmerdaçaram. Para isso terão que viver, pelo menos, uns 300 anos ou mais. Haja merda para resolver os problemas do Brasil. E quanto às aposentadorias? Com que idade o cidadão irá se aposentar? Com 400 anos e continuar contribuindo para a seguridade social? Haverá fezes suficientes para cobrir o déficit da Previdência? E o SUS, como mantê-lo com os avanços da idade? Teremos que salvá–lo e, para isso, o governo deverá importar mais médicos de Cuba e aumentar o programa “Fome Zero” para produzir mais merda e, portanto, mais ouro.

Outro fato preocupante é que, sendo as fezes tão valorizadas, haverá quadrilhas especializadas em contrabandear nossos produtos fecais para outros países. Os ladrões nos matarão para roubar nossos dejetos. O governo, através de uma medida provisória, nos colocará em confinamentos, para obter mais fezes, a fim de cobrir os rombos da roubalheira.  

Como se vê, a ciência na sua evolução pode, também, criar alguns problemas.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia