JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 14 de agosto de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

Arte de escutar

A capacidade de escutar, além de ser uma arte, é uma importante virtude

Por Dom Paulo Mendes Peixoto. Última atualização: 28/02/2015 - 20:26:51.

A capacidade de escutar, além de ser uma arte, é uma importante virtude, muito necessária para os novos tempos. Hoje falamos mais do que escutamos, principalmente ao que não nos interessa, mas nos compromete e exige atitudes sinceras de doação e desprendimento. Por isso, muitos não querem ouvir a Palavra de Deus, porque ela implica postura de justiça e honestidade.

É inadmissível, entre pessoas que falam e escutam, que criam diálogo fraterno, mesmo tenso, acontecer ameaça à vida. O diálogo deve ser construtor de relacionamento saudável, e não um artífice e motivo de morte. Não podemos concordar e nem aceitar sacrifícios humanos, muito mais sem motivos que sejam realmente justificáveis, como é o caso de uma defesa da própria vida.

Temos que abrir os ouvidos para escutar e colocar em prática os princípios anunciados pelos textos da Palavra de Deus. Ali encontramos o necessário para construir uma vida de respeito, de paz, de esperança e de humanização da nova cultura. Temos assistido a práticas abomináveis de desrespeito à vida humana, indicando que não respeitamos mais as pessoas como dons de Deus.

O diálogo precisa construir verdadeira humanidade. Parece que temos facilidade de ouvir as notícias televisivas, músicas, discursos diversos, mas não conseguimos escutar o outro. Uma multidão de ruídos povoa nossos ouvidos e nos impede de ouvir atentamente as necessidades dos irmãos e irmãs.

Está muito claro que somos consumidores de ruídos e, não ouvindo os sons da fraternidade, tornamo-nos escravos de nós mesmos. É a cultura da falta de tempo, porque não conseguimos priorizar aquilo que é mais importante e cedemo-nos ao irrisório, que massifica e dificulta atitudes de maior comprometimento.

Não podemos viver numa situação de neutralidade na vida social. O cristão, em meio aos conflitos emergentes, tem que ter posturas de solidariedade e de transfigurar as atitudes. Seu espaço é o cotidiano da vida, é a convivência com todos que o rodeiam, sendo instrumento de transformação das pessoas que não conseguem vivenciar a fraternidade tão necessária para construir uma vida feliz.

(*) Arcebispo de Uberaba

Notícias Relacionadas

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia