Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Dom Paulo Mendes Peixoto - 28/02/2015

Arte de escutar

Compartilhar:

A capacidade de escutar, além de ser uma arte, é uma importante virtude, muito necessária para os novos tempos. Hoje falamos mais do que escutamos, principalmente ao que não nos interessa, mas nos compromete e exige atitudes sinceras de doação e desprendimento. Por isso, muitos não querem ouvir a Palavra de Deus, porque ela implica postura de justiça e honestidade.

É inadmissível, entre pessoas que falam e escutam, que criam diálogo fraterno, mesmo tenso, acontecer ameaça à vida. O diálogo deve ser construtor de relacionamento saudável, e não um artífice e motivo de morte. Não podemos concordar e nem aceitar sacrifícios humanos, muito mais sem motivos que sejam realmente justificáveis, como é o caso de uma defesa da própria vida.

Temos que abrir os ouvidos para escutar e colocar em prática os princípios anunciados pelos textos da Palavra de Deus. Ali encontramos o necessário para construir uma vida de respeito, de paz, de esperança e de humanização da nova cultura. Temos assistido a práticas abomináveis de desrespeito à vida humana, indicando que não respeitamos mais as pessoas como dons de Deus.

O diálogo precisa construir verdadeira humanidade. Parece que temos facilidade de ouvir as notícias televisivas, músicas, discursos diversos, mas não conseguimos escutar o outro. Uma multidão de ruídos povoa nossos ouvidos e nos impede de ouvir atentamente as necessidades dos irmãos e irmãs.

Está muito claro que somos consumidores de ruídos e, não ouvindo os sons da fraternidade, tornamo-nos escravos de nós mesmos. É a cultura da falta de tempo, porque não conseguimos priorizar aquilo que é mais importante e cedemo-nos ao irrisório, que massifica e dificulta atitudes de maior comprometimento.

Não podemos viver numa situação de neutralidade na vida social. O cristão, em meio aos conflitos emergentes, tem que ter posturas de solidariedade e de transfigurar as atitudes. Seu espaço é o cotidiano da vida, é a convivência com todos que o rodeiam, sendo instrumento de transformação das pessoas que não conseguem vivenciar a fraternidade tão necessária para construir uma vida feliz.

(*) Arcebispo de Uberaba




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018