Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Aristteles Atheniense - 15/01/2015

A malsinada regulao da mdia

Compartilhar:

O prenúncio do novo ministro das comunicações, Ricardo Berzoini, no seu discurso de posse, de que a regulação da mídia importará num avanço, deve ser recebido com reservas.

Nem mesmo o fato dessa iniciativa constituir prerrogativa do Congresso infunde a certeza de que não haverá controle da imprensa e cerceamento à liberdade de expressão. Basta atentar para o poderio da base aliada e a pressão que esta sofre do Planalto, para se concluir que o Legislativo não terá autonomia suficiente que lhe permita rejeitar a proposta oriunda do Executivo.

Em se tratando de tema há muito discutido nas hostes petistas, que ganhou maior relevância após o escândalo da Petrobras, a indicação de Berzoini não foi obra do acaso.

Não se pode desprezar a sua vinculação ideológica a Lula e à Presidente reeleita. A transferência do Ministério das Relações Institucionais para o de Comunicações foi uma estratégia adotada para que fosse convertida em realidade a dissimulada “regulação econômica da mídia”.

Embora Dilma Rousseff houvesse evitado questionar este tema em sua primeira investidura, temendo enfrentar o mesmo insucesso experimentado pelo seu antecessor, vale considerar o recado do ministro Paulo Bernardo quando da transmissão do cargo a Berzoini. Naquele pronunciamento, sugeriu que a “situação regulatória” da mídia brasileira voltasse a ser apreciada.

O compromisso externado por Berzoini em colher sugestões de empresas, sindicatos e organizações sociais, visando a conferir maior autenticidade à proposta, não passa de uma forma contemporizadora para amenizar o seu caráter autoritário.

O fato de rádio e televisão dependerem de “concessão ou permissão” (Art. 21, XII da CF), não se presta a legitimar as medidas agora cogitadas. Convém assinalar que essa limitação está em vigor desde 1988, há 25 anos, sem que os governos subsequentes à edição da Carta Magna hajam se empenhado em instituir a medida restritiva.

Não há como transigir com essa regulação, sejam quais forem os artifícios impostos pelo PT, via Congresso Nacional, que venham a tornar oportuna e razoável a proposta que atenderá aos interesses da presidente e dos partidos que lhe dão sustentação.

(*) Advogado, presidente da Academia Mineira de Letras Jurídicas
www.facebook.com/aristoteles.atheniense
Blog
www.direitoepoder.com.br
Twitter: @aatheniense




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018