Publicidade
Rádio JM
Canais Facebook Twitter RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
CIDADE
Tamanho do texto: A A A A
Geórgia Santos - 14/05/2013

Congada e moçambique vão às ruas pelos 125 anos da Abolição

Compartilhar:

Cultivando uma tradição de se comemorar a Abolição da Escravatura, aconteceu ontem em Uberaba o desfile dos ternos de congada e moçambique pelas ruas centrais da cidade. A festa foi realizada durante todo dia: no período da manhã teve o desfile de 14 grupos em direção à igreja Santa Terezinha e, à noite, baile, com coroação dos festeiros para 2014.

Este ano comemoram-se 125 anos da Abolição da Escravatura e em Uberaba, como de costume, foram realizadas várias atividades, começando logo cedo com um encontro dos ternos de congadas na Unidade de Atenção ao Idoso (UAI). O desembarque dos grupos foi realizado com muita festa, cânticos, danças e orações ao Rei Congo, à Rainha Ginga e ancestralidades africanas. Assim que todos chegaram, saíram rumo à igreja Santa Terezinha, passando pela avenida Leopoldino de Oliveira, subindo a rua Treze de Maio.

Durante o desfile os ternos relembraram a história do negro no Brasil. Já na praça em frente da igreja houve saudações ao busto da Princesa Isabel e também reverências aos congadeiros, moçambiqueiros e autoridades com atos de manifesto e discussão de políticas públicas direcionadas à raça negra. A banda do 4° BPM também participou da festa, tocando o Hino Nacional. Ainda no período da manhã foi celebrada missa afro, em louvor à alma dos cativos, e aconteceram apresentações dos ternos de congada e a confraternização nos quartéis. Já no período da noite houve um baile de coroação dos festeiros de 2014.

Todo o desfile contou com o apoio da Guarda Municipal para orientar o trânsito, evitando transtornos. E vale ressaltar os atos de manifesto que foram realizados assim que os ternos chegaram à praça, quando foram apresentadas as principais reivindicações. “Pedimos um pouco mais de apoio, pois para nós não é apenas festa, tem um significado muito grande, um ato que faz parte da nossa cultura. Esta é a única maneira que nós temos de expor a toda comunidade uberabense o quanto isso é importante. Pois nos deram liberdade, mas não nos deram instrumentos para sobreviver, um suporte”, explica o presidente dos grupos de congada e moçambique, Marcelo Simpatia.

Portanto, Marcelo ressalta que a luta até hoje é para que vejam a cultura afro de forma diferente da atual, sendo que ainda existe muita negação aos negros. “Vamos caminhando contra o preconceito, ainda muito velado, para dar aos nossos filhos o direito à escola, educação e trabalho, que não tivemos. Ainda existe muito preconceito que está camuflado. É muito importante não deixar a nossa cultura morrer, e nos ternos várias crianças participam das atividades, e isso é bom, pois dá sequência”, finaliza.






Lateral superir Giovanna
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
r�dio

Banner blog mais bella
ENQUETE
Se Marina Silva e Dilma Rousseff forem realmente para o segundo turno, quem você acha que o senador Aécio deveria apoiar:




JM FORUM
Com mais de 20 meses de mandato, você acha que o Prefeito Paulo Piau deveria mudar algum secretário? Em qual secretaria estão os maiores problemas do prefeito?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2014
CMIDIA