JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 15 de agosto de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

CIDADE

Caminhoneiros de Uberaba não reconhecem acordo com o governo e mantêm greve

Os motoristas de caminhão paralisados nas rodovias que cortam a cidade afirmaram à reportagem que não são representados pelos líderes que negociaram com o governo federal ontem

Por Geórgia Santos. Última atualização: 25/05/2018 - 12:20:04.

Assim como em todo país, greve dos caminhoneiros continua em Uberaba. O movimento começou na segunda-feira (21) no país, mas em Uberaba teve início na terça-feira (22) pelo Distrito Industrial III e pela AMG-2555. Em seguida, os caminhoneiros também interditaram parte da BR-050, em dois pontos. A ação continua, os motoristas alegam que as pessoas que negociaram com o governo em nome da categoria não os representam.

Na noite desta quinta-feira (24), após uma longa reunião, foi anunciado pelo governo e representantes de entidades de caminhoneiros, a proposta do governo de um acordo para a suspensão da paralisação da categoria. Entre os temas acordados, está a redução de 10% nos preços do diesel, anunciada na quarta-feira pela Petrobras, será mantida por 30 dias. Entretanto, o termo foi questionado por caminhoneiros que estão na região de Uberaba.

“Disseram que fizemos acordo, mas não é verdade, não aceitamos, a pessoa que estava negociando com o governo não nos representa”, afirma o motorista de caminhão Ronaldo Dario, que está na BR-050.

Outro motorista de caminhão, Augusto de Matos Filho, que também está na rodovia federal, diz que a negociação não foi em nome de toda categoria. “Fizeram por conta deles, os nossos representantes de fato não conseguiram nem mesmo conversar com o governo, pois todos concordam que não é suficiente abaixar apenas 10% no combustível. E, além disso, não compreendemos os valores do etanol, que está aumentando de preço, e não é um combustível produzido pela Petrobras, é preciso clareza”, afirma.

Augusto destaca que o movimento continua, somente será suspenso se os representantes de fato da categoria comunicarem o acordo estabelecido.

Os motoristas de caminhão na AMG-2555 possuem opinião semelhante. De acordo com caminhoneiro Nelson Alves Paulino, o acordo feito na quinta-feira não significa nada. “Somente vamos liberar as rodovias quando os nossos representantes anunciarem. Conversei com os meus colegas sobre a proposta e todos estão indignados, não queremos tudo que pedimos, mas pelo menos 99% das nossas solicitações”, afirma os motoristas.

Com relação aos veículos liberados, tanto na BR-050 quando na AMG-2555, os caminhoneiros relataram que veículos de passeio estão circulando normalmente. Estão liberados também caminhões de combustível para abastecer a Polícia Militar, assim como caminhões com medicamentos, ambulâncias, aqueles também que garante que irão abastecer o município com alimentos como verduras e carnes também podem ser liberados. 

Leia mais:

Protesto de caminhoneiros continua em Minas, mesmo após acordo anunciado pelo governo federal

Motoristas fazem manifestação nesta manhã contra aumento dos combustíveis

Frota de veículos do transporte coletivo será reduzida em 50% por conta da greve

Greve dos caminhoneiros pode afetar abastecimento de água

Governo de Minas decreta ponto facultativo no Estado nesta sexta-feira

Greve dos caminhoneiros afeta atendimentos no HC/UFTM

Supermercados devem começar a enfrentar desabastecimento hoje

Concessionárias buscam alternativas para manter o sistema de transporte

Procon alerta para aumentos abusivos em postos e anuncia pesquisas diárias

 

 

Notícias Relacionadas

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia