JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 18 de novembro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

CIDADE

Sem atingir a meta, a multivacinação termina nesta 6ª com cobertura de 83%

Campanha de multivacinação termina hoje e Uberaba fica sem atingir a meta proposta pelo Ministério da Saúde

13/09/2018 - 23:40:50. - Por Geórgia Santos Última atualização: 14/09/2018 - 08:58:47.

Jairo Chagas


Termina hoje a campanha de multivacinação, mas a Secretaria de Saúde diz que doses continuam disponíveis nas unidades

Campanha de multivacinação termina hoje e Uberaba fica sem atingir a meta proposta pelo Ministério da Saúde. Conforme o último balanço divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde, 83% das crianças em Uberaba haviam se vacinado contra o sarampo e poliomielite, sendo que a meta preconizada é de 95% de cobertura.

Com o propósito de atualizar o cartão de vacina e aplicar reforço contra o sarampo e poliomielite, a campanha de multivacinação teve início no dia 6 de agosto e seguiria até 31 do mesmo mês. Diante do baixo índice de vacinação, em vários estados do país o Ministério da Saúde prorrogou a campanha até 14 de setembro, a fim de que a meta fosse atingida.

No caso de Uberaba, de acordo com o diretor da Vigilância Epidemiológica, Robert Boaventura, provavelmente não será possível atingir o índice estipulado, porém as ações de vacinação no município vão continuar. “Estamos com 83% de cobertura, e quando não se atinge a meta não é um índice satisfatório, o ideal é ter 100% das crianças vacinadas, ainda mais quando há doses disponíveis. Continuaremos com buscas ativas, sobretudo com a vacinação nos Cemeis, até atingir a meta”, explica Robert.

De acordo com o diretor, infelizmente, a população de Uberaba sempre deixa a vacinação para a última hora ou quando há registros de casos da doença. “A secretaria se mobiliza, faz busca ativa, sendo que deveria ser ao contrário, a população é que deveria nos procurar e imunizar o filho, e isso nos deixa preocupados. A população precisa se atentar mais”, afirma Robert. 

Vale ressaltar que se não existem casos da doença no município e nem na região é porque em anos anteriores a cobertura vacinal foi satisfatória, porém, se houver uma redução de pessoas imunizadas, a situação pode se inverter e surgirem casos da doença.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia