JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 20 de setembro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

CIDADE

Professora defende curso obrigatório de primeiros socorros para educadores

Professora de educação infantil diz ser importante que educadores tenham noções básicas de primeiros socorros

12/09/2018 - 23:11:47. - Por Geórgia Santos Última atualização: 12/09/2018 - 23:11:56.

Professora de educação infantil diz ser importante que educadores tenham noções básicas de primeiros socorros. Adriana Cristina Ribeiro Januário conta que possui curso e já aplicou diversas vezes seu aprendizado nas escolas.

Recentemente foi aprovado no Congresso Nacional projeto de lei que obriga professores de educação infantil e básica a fazerem cursos de noções básicas de primeiros socorros. O procedimento vai valer para professores e funcionários de escolas públicas e privadas, além dos estabelecimentos de recreação infantil. O intuito é fazer com que estes profissionais consigam agir rapidamente em situações de emergência, enquanto o socorro não chega.

“Penso que é primordial para nós, professores, a realização destes cursos, não apenas na educação infantil, mas de modo geral, principalmente nos tempos atuais em que trabalhamos com a inclusão também. Com essas orientações, vamos saber o que fazer em situações como uma queda, um machucado, enfim, vejo essa medida de suma importância”, explica Adriana. A educadora destaca que o fato de se tornar o curso obrigatório é uma medida um tanto quanto severa, mas é essencial ter noções básicas de como socorrer o aluno de forma ágil. “Como já fiz o curso, diversas vezes coloquei em prática, principalmente quando trabalhei em uma instituição direcionada para portadores de deficiência”, destaca a professora. 

O projeto de lei foi aprovado na Câmara dos Deputados e no Senado e recebeu o nome de Lei Lucas. Isto porque, em setembro de 2017, Lucas Begalli Zamora, de 10 anos, morreu ao engasgar com um lanche durante passeio escolar. O projeto já foi enviado à Presidência da República para sanção e agora as escolas e estabelecimentos de recreação infantil vão ter 180 dias para se adaptar à nova lei.

Notícias Relacionadas

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia