JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 19 de setembro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

CIDADE

Bloqueio de poupança de correntista da Caixa Econômica gera indenização

Correntista ganhou na Justiça indenização por bloqueio indevido de recursos em sua conta poupança

- Por Thassiana Macedo Última atualização: 18/04/2018 - 07:30:32.

Correntista da Caixa Econômica Federal entra com ação na Justiça e ganha o direito à indenização por danos morais por bloqueio indevido de recursos em sua conta poupança. Em sua sentença, o juiz da 2ª Vara Federal de Uberaba, Osmane Antônio dos Santos, declarou a nulidade das cláusulas abusivas do contrato, determinou o desbloqueio da conta poupança sob pena de multa e, ainda, fixou indenização em R$2 mil.

De acordo com o advogado Leonardo Monteiro, o correntista mantém junto à instituição financeira uma conta poupança destinada a guardar suas economias e reservas para casos de urgência. Porém, no ano passado foi surpreendido com a informação de que sua conta se encontrava bloqueada para liquidar débito decorrente do contrato firmado entre a instituição financeira e uma empresa de serralheria e estruturas metálicas, em cujo contrato ele figura como representante e fiador.

O advogado explica que ao procurar uma agência do banco, o correntista foi informado de que o bloqueio havia sido efetuado em sua conta bancária, apenas com suas economias, devido a um empréstimo realizado em outra conta bancária em nome da empresa da qual o correntista é sócio. Além disso, o banco orientou que para suspender o bloqueio era exigida a assinatura de um contrato de renegociação de dívida, o qual foi firmado pelo correntista em 5 de abril de 2017.

O correntista lavrou Boletim de Ocorrência junto à Polícia Militar. Leonardo Monteiro esclarece que o correntista entrou com ação na Justiça Federal, pois a legislação brasileira não permite o bloqueio de contas poupança, salário, corrente ou qualquer outra conta bancária para quitar empréstimo contraído e vinculado à outra conta, ainda que na mesma instituição financeira.

Ao analisar o caso, o magistrado reconheceu a tese apresentada pelo advogado Leonardo Monteiro e declarou a nulidade das cláusulas abusivas do contrato de renegociação, em virtude do desequilíbrio da relação entre banco e correntista ao permitir a invasão de seu patrimônio sem o devido processo legal, contrariando o Código de Defesa do Consumidor. Em razão disso, o juiz Osmane dos Santos determinou o desbloqueio da conta poupança sob pena de incorrer em multa e, ainda, fixou indenização. Não cabe mais recurso contra a sentença.

Notícias Relacionadas

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia