JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 25 de junho de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

CIDADE

Trabalhadores dos Correios em Uberaba voltam ao trabalho na 2ª

Em assembleia realizada ontem, os trabalhadores aprovaram a proposta de acordo coletivo apresentada pelo vice-presidente do TST

- Por Geórgia Santos Última atualização: 07/10/2017 - 15:54:29.

Divulgação 


Em assembleia ontem, os funcionários dos Correios em Uberaba decidiram pelo retorno ao trabalho a partir de segunda (9)

Termina greve dos funcionários dos Correios em Uberaba e região. Em assembleia realizada ontem, os trabalhadores aprovaram a proposta de acordo coletivo apresentada pelo vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Emmanoel Pereira, em audiência ocorrida na quarta-feira (4).

A proposta feita pelo ministro contempla reajuste salarial das cláusulas econômicas, manutenção de cláusulas sociais, compensação e desconto de dias parados, bem como a continuação do debate sobre o plano de saúde. A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) já havia aceitado o acordo, restando o posicionamento dos sindicatos que estão realizando assembleias.

“Na proposta feita pelo ministro, ele garante a manutenção dos nossos direitos e benefícios, que era uma luta da categoria. Praticamente vamos reeditar nosso acordo coletivo 2016/2017, garantindo os nossos direitos e benefícios para o próximo acordo coletivo 2018/2019. Isso nos deixou esperançosos para que não alterasse o que conquistamos. Neste sentido, em assembleia, decidimos aceitar a proposta e retomar o trabalho na segunda-feira (9)”, revela o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios, Telégrafos e Similares de Uberaba e Região (Sintect-URA), Wolnei Capolli.

A aprovação da proposta foi unânime entre os trabalhadores que participaram da assembleia do Sintect-URA. Entretanto, Wolnei revela que a luta continua. “A luta nunca para, a investida contra os trabalhadores é sempre massacrante, visto a reforma trabalhista aprovada recentemente. Estamos sempre atentos à retirada de direitos”, afirma Wolnei.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia