Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
  | 
BUSCA:     
Você está visitando a Edição do dia 08/03/2018

 
crÔnica do dia
Tamanho do texto: A A A A
CRNICA DO DIA
08/03/2018

Compartilhar:



 Especial proteção a quem nos protege: os pais


Quando se fala em pensão alimentícia, logo nos vem à mente a figura dos filhos recebendo valores do pai, a título de alimentos, para colaborar na sua subsistência.

E aqui nos referimos ao pai como devedor dos alimentos por ainda ser a situação com que mais deparamos nos corredores forenses, muito embora seja pertinente lembrar que os pais (pai/mãe, pai/pai, mãe/mãe ou qualquer outra conjugação) têm iguais direitos e deveres na criação e condução dos interesses dos filhos menores, não mais existindo a preferência legal da guarda para a mãe.

Superada essa questão preliminar e indo ao tema objeto do presente artigo, a lei também assegura o recebimento de pensão alimentícia aos pais, ainda mais quando forem idosos (maior de 60 anos), a ser prestada por seus filhos ou até mesmo outros parentes.

Num primeiro ponto, cabe observar que a senilidade vem acompanhada de maiores gastos e vulnerabilidade a doenças, embora a renda tenda a diminuir.
Sem afastar o dever de atendimento às pessoas em geral pelo Poder Público, e em especial àquelas com fragilidade ou carência em decorrência da idade – no caso o idoso, nesta fase é de suma importância o apoio da família. E inclusive para fins de ajuda financeira.

Em segundo lugar, está se tornando cada vez mais corrente o afastamento do ancião de seus familiares – mormente os filhos, por estes delegarem os cuidados a terceiros.

E em outros casos, graves por sinal, o idoso fica ao completo abandono, não só afetivo, mas também material, dos próprios entes mais próximos.
Por conta disso, a lei também assegura ao idoso o manejo de ação judicial específica para pedir alimentos aos filhos, lembrando que a Constituição Federal impõe a estes o dever de amparar os pais na velhice, carência ou enfermidade, com inegável prioridade e especial proteção.

Não obstante seja um dever legal, não há dúvidas de que para aqueles que se norteiam pela moral e cultuam a gratidão, certamente nem precisaria de tal previsão jurídica.

Todavia, nem todos têm o mesmo ideal e nem toda família se forma e se rege com os mesmos preceitos morais e éticos. E por falar em amparo material, a lei ainda assegura diferenciada proteção ao idoso, permitindo-lhe escolher para qual(is) filho(s) pedirá alimentos, até porque uns podem possuir melhores condições que outros. E caso tivesse que incluir todos os filhos no processo, o trâmite poderia se arrastar por muito mais tempo, pondo em risco a efetividade da proteção trazida no Estatuto do Idoso.

E, em nome da especial proteção, determina a lei que a obrigação alimentar dos filhos fixada judicialmente é solidária, ou seja, se um não pagar, pode o pai cobrar dele ou de qualquer dos outros que fizeram parte do processo. Trocando em miúdos, é como se um filho fosse avalista do outro.

Embora haja divergência na doutrina acerca da solidariedade entre os filhos, é certo que o idoso merece especial proteção, até pela fase em que se encontra e por todo o esforço que já despendeu no passado em prol dos filhos.

Se o filho, por livre e espontânea vontade, não colabora com os pais, a lei o chama a tal responsabilidade. Como já se dizia, “dura lex, sed lex”.
E não para por aí, haja vista a complexidade das relações parentais, podendo o dever de amparo ao idoso também alcançar o campo afetivo.
Há alguma medida aos pais que foram abandonados afetivamente pelos filhos?

O assunto mostra-se tormentoso por vários aspectos, que serão abordados em uma próxima oportunidade.

Fábio Pinti Carboni
Professor universitário. Advogado. Associado do IBDFAM.

 







AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018