Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
  | 
BUSCA:     
Você está visitando a Edição do dia 08/02/2018

 
CRNICA DO DIA
Tamanho do texto: A A A A
CRNICA DO DIA
08/02/2018

Compartilhar:



 Supremo Tribunal da Impunidade

Caro amigo, leitor. Aqui estou novamente, para alegria de muitos e tristeza de uns poucos. A vida é assim mesmo. Há tempos venho ensaiando para escrever o que penso do nosso Supremo Tribunal Federal – STF. Chegar lá não é uma tarefa muito fácil, tendo em vista aquilo que a gente lê e ouve.
Quando vaga um lugar na corte, começa uma verdadeira corrida para ocupar o lugar. O ponto de partida dá-se no âmbito político, pois ninguém duvida que aí está a razão primeira do “sucesso”. Atribuição exclusiva do chefe do Executivo, onde, recebido o aval deste com a certeza da indicação, tem-se o início de um périplo junto ao Senado Federal, preparando o campo da sessão da sabatina em plenário.

Sob minha ótica, com o devido respeito, um jogo de cartas marcadas, pois deste que me entendo por gente não conheço nenhum caso de recusa ante a indicação previamente agendada pelos ilustres senadores. O que é pior, uma vez nomeado, o cargo é vitalício só saindo pela expulsória – compulsória – hoje, aos setenta e cinco anos de idade. Não conheço algo diferente, a não ser pela morte.

O STF foi criado no ano de 1981 – 27 de fevereiro. Neste ano completa 127 anos, sendo o expectador e destinatário máximo, no campo jurídico, dos mais variados episódios da vida política nacional. Com o passar dos tempos, com a revolução das mídias sociais, o mundo inteiro globalizado, as transmissões ao vivo – em tempo real -, das sessões de julgamento, principalmente com os embates ocorridos no processo do mensalão, as coisas mudaram, a forma de ver e encarar suas excelências, restou consignado o chamado jogo da vaidade! Isso mesmo: vaidade. Um querendo sobrepor aos outros, e os outros sobrepondo o um. Fica difícil de entender. Cada qual tentando demonstrar a sua tese, nos termos da sua vaidade, e vai lá saber se no interesse do(s) seu(s) protegido(s). Infelizmente é a visão que tenho sobre as onze ilhas isoladas; onze são os ministros!

Recentemente, em artigo publicado na Folha de São Paulo, o professor de direito constitucional da USP, CONRADO HÜBER MENDES, assim manifestou sua opinião sobre o que ocorre na corte: numa espiral de autodegradação, passou – o STF – de poder moderador a poder tensionador, que multiplica incertezas e acirra conflitos. Explicações para isso se encontram na atuação dos ministros e no desarranjo de ritos e procedimentos. O Supremo Tribunal Federal é protagonista de uma democracia em desencanto... Se Delcídio do Amaral (PT/MS), Eduardo Cunha (MDB/RJ), Renan Calheiros (MDB/AL) e Aécio Neves (PSDB/MG) detinham as mesmas prerrogativas parlamentares, por que, diante das evidências de crime, receberam tratamento diverso? Neste sentido, o ilustre Professor, menciona vários casos de comportamentos idênticos, onde as decisões caminharam em várias direções, ao sabor do julgador do caso em si e da pessoa envolvida, ou seja, uma folha de bananeira frente ao vendaval.

Para terminar, cito o caso do senador Romero Jucá, que foi beneficiado, recentemente, pela prescrição – esquecimento do crime -, onde determinado Ministro pediu vistas do processo, ou seja, iria examinar o caso com mais atenção. Todavia, sua Excelência, perdeu o processo de vista, no seu pedido de vistas!!! Passaram 14 anos, realmente, perdeu de vista, e o ilustre senador não foi punido!! Belo exemplo de impunidade, dentre outros!

Leuces Teixeira







AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018