Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     
Você está visitando a Edição do dia 04/10/2017

 
CRNICA DO DIA
Tamanho do texto: A A A A
CRNICA DO DIA
04/10/2017

Compartilhar:



 Se você ama, case!

A vida é assim, os filhos nascem, os pais criam, educam com todo amor e carinho até que, na pós-adolescência, pela força incontrolável dos hormônios, surgem a paixão pelo outro e o desejo de constituir uma nova família, como era dos seus pais...

Seguindo a letra da música, o tempo vai passando, e a coisa mudou. As pessoas, em grande maioria, passaram a enxergar o casamento como uma “coisa” antiquada, burocrática e chata.

Ora, se o simples dar as mãos já é suficiente para transmitir ao próximo o seu amor, qual razão de resistir e publicamente dizer que o ama?
Alguns, com alma de organizados, chegam a celebrar um contrato de união estável e, tudo certo, afinal, o Estado assim me reconhece, e agora com detalhes.
Ledo engano!

O casamento ainda é, e sempre continuará sendo, a melhor forma de manter a solidez, segurança e os alicerces da família, algo que a união estável ainda não conseguiu estabelecer, especialmente por conta da necessidade de prova declaratória de sua existência.

Um exemplo fácil de ilustrar: João e Maria resolveram viver como se casados, mas de maneira informal, sem qualquer registro em 2007, e desde então adquiriam bens, porém todos lançados em nome do companheiro.

Por desastre do destino, e para surpresa de todos, João sofre acidente de carro e vem a falecer, oportunidade em que a mãe e os irmãos, ignorando o relacionamento do filho, postulam a abertura do inventário e a partilha, entre si, dos bens por ele deixados, ignorando aqueles adquiridos com esforço comum da Maria.

A companheira, desnorteada, procura provas capazes de provar que contribuiu, com esforço comum, nos bens lançados no inventário, sob os quais detém o devido direito.

Como se não bastasse, o INSS, para habilitá-la como pensionista, exige que ela apresente, no mínimo, três documentos capazes de provar que ambos viviam como se casados fossem, por exemplo: (1) - declaração do Imposto de Renda do segurado, em que conste o interessado como seu dependente; (2) - disposições testamentárias; (3) - declaração especial feita perante tabelião; (4) - prova de mesmo domicílio.

Percebam que a tarefa é árdua, e tudo seria mais fácil de resolver se tivesse uma certidão de casamento em mãos. Vale lembrar que a família é a base da sociedade, e o Estado tem o dever de facilitar a conversão da união estável em casamento.

Percebe-se, enfim, que a simplicidade aparente de união estável entre duas pessoas pode trazer consequências desastrosas quando a lei ou o contrato exigir provas cabais de sua existência, em determinados períodos, o que, com certeza, poderia ser evitado se o casamento tivesse sido firmado.
Enfim, para consagrar a solidez da instituição Família, baseada em amor recíproco, e na publicidade, nada é mais simples e seguro do que o casamento, seja em que regime for. Se realmente ama, case!

Paulo Leonardo Vilela Cardoso
Advogado, professor universitário e autor intelectual

 







San Marco - 13jul
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

ENQUETE
Perodo de frias se aproxima e muitas pessoas devem viajar, o que faz circular novas doenas vindas de outras localidades. A sua vacinao est em dia?





JM FORUM
Na sua opinio, o que deu errado para a Seleo Brasileira, que era vista como favorita taa, ser eliminada na Copa do Mundo?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018