Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
  | 
BUSCA:     
Você está visitando a Edição do dia 10/02/2018

 
CRÔNICA DO DIA
Tamanho do texto: A A A A
CRNICA DO DIA
10/02/2018

Compartilhar:



 Álcool, direção e carnaval
No Brasil e em qualquer país do mundo não há leis que consigam impedir uma pessoa de dirigir embriagada. Aliás, leis existem, mas, especialmente em nosso “patropi”, o que falta é uma maior conscientização popular a respeito. Sabemos o quanto gerou polêmica a aprovação da Lei Seca por aqui; em seguida, presenciamos um número repolhudo de propagandas a respeito da Tolerância Zero naquele sentido. Foi tudo lindo, foi! Mas não foram poucos os intelectuais e moderninhos que se insurgiram contra aquela Lei “absurda”, ao ponto de ouvirmos depoimentos de pessoas que se sentiam lesadas no seu direito de ingerir o que quisessem e na quantidade que aguentassem enquanto sentadas à frente de um volante, pois tinham consciência (?) dos seus limites. Uma questão cultural? Claro, mas de total irresponsabilidade e originada de uma boçalidade pura. Todo motorista ou motociclista, tratorista ou manobrista que assume a direção de um veículo após fazer uso de bebida alcoólica assume, evidentemente, todas as consequências daquela sua total falta de responsabilidade.

A infração é tida por gravíssima, a multa é alta e o condutor ainda pode ficar temporária ou definitivamente inabilitado para dirigir e ainda passar um bom período atrás das grades. Em terras pindoramas, apenas durante o período carnavalesco no ano passado, 113 mortes foram registradas nas estradas e entre as principais causas estava o uso de álcool pelos motoristas, um número altamente expressivo. É quase impossível de acreditar em pesquisas que apontam para fato de que a cada grupo de quatro motoristas brasileiros, um deles ainda dirija após ingerir qualquer bebida alcoólica e não apenas em desrespeito às leis, mas em total desconsideração pela vida alheia ou sequer a sua própria vida e isso é fato! Talvez em razão de uma maior fiscalização e rigor na aplicação das leis, o número de mortos no trânsito brasileiro e diretamente relacionado ao consumo de álcool tenha diminuído. Acredito também que o número de acidentes tenha caído em função de uma maior soberania da sobriedade sobre o álcool, mas dificilmente por causa de uma tomada de consciência dos motoristas sobre os efeitos deletérios daquela substância sobre o seu cérebro e daí sobre todo o seu sistema nervoso. A causa principal, penso, estaria diretamente relacionada ao alto valor das multas aplicadas e a outras consequências a quem é pego dirigindo sob o efeito do álcool; simples assim! Tire-se as multas e demais tipos de correção oficial e disciplinar e a lambança sobre o asfalto torna a ascender de maneira abundante, descomedida.

O dia que a palavra “conscientização” tornar-se de real valor e aplicação em solo brasileiro então, finalmente, veremo-nos transformados em uma nova Suécia ou Dinamarca dos trópicos.

Gustavo Hoffay
Agente Social







AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018