Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     
Você está visitando a Edição do dia 09/02/2018

 
CRÔNICA DO DIA
Tamanho do texto: A A A A
CRNICA DO DIA
09/02/2018

Compartilhar:



 Funrural, Senar e CNA


Não é de se estranhar as muitas dúvidas que surgem na interpretação da legislação tributária do Brasil. A enorme complexidade, dubiedade e contradição que caracteriza os atos normativos no País é um já conhecido entrave à segurança jurídica e ao desenvolvimento.Aliás, a insegurança jurídica vem ganhando contornos trágicos. Já não se sabe mais, ao certo, o que é devido e o que não é. Frequentes reviravoltas jurisprudenciais vêm causando também instabilidade social. Pois bem. Nesse contexto, o setor rural não foge à regra e sofre do mesmo mal.

O Funrural é o exemplo recente mais visível dessa deterioração sistêmica que agride a confiança do produtor. Após inúmeras decisões do Poder Judiciário pela inconstitucionalidade, inclusive uma da Corte Constitucional em repercussão geral e por unanimidade em 2011, o STF, em 2017, voltou atrás e julgou a contribuição válida. O fundamento é uma lei de 2001, que não foi considerada no primeiro julgamento do Supremo, mas, para espanto geral, quando da votação já estava produzindo efeitos há uma década.

Para tentar atenuar o malfeito e as desastrosas consequências desse triste episódio, mesmo antes do julgamento dos Embargos de Declaração com o necessário pedido de modulação apresentados ao STF por diversas entidades, entre elas, a SRB e a ABCZ, a União ofereceu um parcelamento ao produtor e aos adquirentes, o PRR, com parcelas alongadas (176x) e desconto nos juros de mora (que inclui a correção). Para adentrar ao programa, será necessário confessar a dívida e começar a pagar o passado desde já.

O PRR tem prazo de adesão até 28/02, caso não haja prorrogação, o que vem sendo buscado pela Frente Parlamentar da Agropecuária no Congresso Nacional. Outro problema é o Senar. Funrural engloba INSS e SAT/RAT, mas não o Senar, que, inclusive, não pode ser parcelado no Programa de Regularização Rural (PRR). Para ficar mais claro, da alíquota antiga de 2,3% do produtor rural pessoal física, o chamado Funrural corresponde a 2,1% e o Senar a 0,2%.

Para não dizer que existem apenas más notícias, a mesma lei do PRR diminuiu a alíquota do INSS do setor para 1,2%, já em vigência. Assim, o produtor pessoa física passou a pagar 1,5%, sendo 1,2% de INSS + 0,1% de RAT/SAT + 0,2% de Senar sobre a receita. Também vale ressalvar a possibilidade de deixar de recolher sobre a receita para contribuir sobre folha de pagamento, nos mesmos moldes dos empresários urbanos, a partir de 2019. Cuida-se de opção que poderá ser exercida pelo produtor rural.

Por fim, nessa sopa de letras, vale destacar que a CNA, que é a contribuição sindical patronal do setor rural, deixou de ser obrigatória. A CNA publicou editais e tem enviado cobranças, sem o devido alerta da faculdade de pagamento, o que tem gerado confusão. Ainda que existam questionamentos judiciais das entidades sindicais, fato é que a reforma trabalhista tornou a contribuição sindical facultativa já em 2018.

Marcelo Guaritá B. Bento é advogado tributarista e professor do PECEGE ESALQ/USP (marcelo@psg.adv.br).







San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018