Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     
Você está visitando a Edição do dia 02/03/2018

 
CRÔNICA DO DIA
Tamanho do texto: A A A A
CRNICA DO DIA
02/03/2018

Compartilhar:



 Abuso emocional infantil

Algo que sempre me comove é a vulnerabilidade das crianças, não só física, mas também emocional.
Felizmente, as leis são duras para quem abusa fisicamente de uma criança, porém, são muito fracas no caso do abuso emocional, que a meu ver é um grande crime, um verdadeiro massacre contra a integridade psicológica de uma criança ou jovem.
É grande o número de pais e mães totalmente despreparados para educar seus filhos com amor maduro, sem apego, nem chantagens e cobranças – que geram culpa, remorso e desejo inconsciente de autopunição nas crianças.
Estes casos são mais frequentes em pais solteiros ou separados, que não conseguem administrar seus próprios sentimentos e despejam toda a sua frustração nos filhos.
Vou dar alguns exemplos aqui do que vejo como abuso emocional, e que, em alguns casos, se configuram como alienação parental, segundo a lei:
– Ficar questionando a criança de quem ela gosta mais – isso causa pressão, confusão mental e culpa. Os pais precisam respeitar as afinidades da criança.
– Usar o filho como mensageiro para levar recados ao outro genitor – criança não merece se envolver nos problemas dos adultos.
– Usar a criança como espiã do outro genitor – isso gera ansiedade e sentimento de estar traindo um dos pais.
– Chorar, fazendo-se de vítima para conseguir atenção e afeto da criança, ou ficar dizendo que está ficando velho, vai morrer, que está triste… – uma desumanidade, que gera no filho um pernicioso sentimento de culpa, e que, com o passar do tempo, acaba afastando-o mais deste genitor.
– Falar mal do outro genitor ou da família dele – isso causa muita incerteza na criança, levando-a a comportamentos agressivos e até à depressão.
– Dizer ao filho que está magoado porque ele demonstra gostar também do outro genitor – mais um motivo para a criança se sentir confusa e culpada.
– Colocar nas mãos da criança decisões que cabem aos adultos, como, por exemplo, com quem ela gostaria de morar, e ficar pressionando-a nessa questão.
Enfim, são tantos outros exemplos, mas fica aqui o meu recado para que pais e mães procurem ler mais sobre o quanto o seu equilíbrio emocional é fundamental para a felicidade de seus filhos.
E guardem bem: criança nenhuma merece carregar o peso das frustrações dos pais em suas costas!

Eliana Barbosa
Psicoterapeuta, life coach, palestrante, apresentadora de TV e autora de livros no campo do autodesenvolvimento
eliana@elianabarbosa.com.br







San Marco - 20jun
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

ENQUETE
Na sua opinio, como deveriam ficar os direitos polticos de parlamentares presos?





JM FORUM
A Lei Seca completou dez anos em junho. Na sua opinio, temos o que comemorar?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018