Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
CRÔNICA DO DIA
Tamanho do texto: A A A A
CRNICA DO DIA
27/03/2017

Compartilhar:


OUTRAS COLUNAS



 “A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte”, esta frase de Arnaldo Antunes reflete muito bem o que são os alimentos. 

A tratativa deste texto é dos alimentos como dever familiar, instituído pela legislação brasileira e existente entre pais e filhos, entre cônjuges, companheiro, quando se trata de união estável e também entre parentes até o segundo grau, quando colaterais, fundamentado no princípio da solidariedade familiar. 

Os alimentos são creditados aos que dele necessitam e devidos por quem de direito deve prover e tem possibilidade para tanto. Criando assim o binômio necessidade do alimentado e possibilidade do alimentante, os julgadores acresceram também outro pressuposto, a proporcionalidade; para tentar frear a intenção enganada e dos menos avisados, de que os alimentos não são para enriquecer mas para sobreviver.

Podem ser providos em dinheiro ou diretamente pagos à necessidade, denominado de in natura, por exemplo, o pagamento da escola, a compra de supermercado etc. De qualquer forma serão pagos frente a prova da necessidade de quem os requer, e sendo uma tendência o pagamento mensal; todavia, não existe proibição de ser efetuado em outra periodicidade.

Os alimentos, apesar de assim denominados, englobam não só a “comida” propriamente dita, mas as despesas com saúde; moradia; vestuário; educação; lazer; profissionalização; cultura e tudo o mais para que o necessitado tenha uma vida digna. 

Uma dúvida que assola tanto os devedores quanto os credores é de como é calculado o valor dos alimentos. 

Pois bem, caros leitores, não existe um percentual fixado pela lei. Mas existe sim dois pressupostos que servem de base para a equação do valor dos alimentos, que são: necessidade de quem pede e possibilidade de quem os requer. É necessário provar o quanto necessita economicamente o alimentado e igualmente provar o quanto pode pagar o alimentante. Assim se monta a operação matemática. Entretanto, se o alimentante aufere rendimento muito alto não poderá ser atribuído a ele uma pensão desproporcional a necessidade do alimentado, razão pela qual o contrapeso neste caso é a prova dos gastos feitos.

Atente-se que o valor dos alimentos pode ser revisto a qualquer tempo, desde que provada a modificação da necessidade ou da possibilidade, e há casos que pode até mesmo ocorrer a extinção da obrigação alimentar; citando quando o alimentado não mais necessitar da pensão, se casar ou falecer. Sendo que a extinção não é automática, deve haver uma ação provocando este pedido, na qual o alimentado exercerá o direito de defesa. 

As formas de receber os alimentos, após o reconhecimento judicial ou extrajudicial, são diferenciadas das dívidas comuns, em razão do reconhecimento de sua importância e papel social, cabendo até mesmo a restrição da liberdade, prisão, em casos de inadimplência sem justificativas. 

Com a nova legislação processual tem-se outros instrumentos também eficazes para a coação ao pagamento, por exemplo: inscrição, negativando o nome do devedor, nos bancos de dados; outras formas de constrição de crédito etc. 

E como ponto final, destaca-se que o dever familiar não se impõe somente a um dos genitores, mas a ambos; devendo a contribuição ser equivalente a possibilidade de cada um deles; podendo até mesmo serem chamados os avôs para complementar a pensão quando restar provada que o valor pago é insuficiente a necessidade do alimentado. 

Importante ressaltar que tanto o necessitado como o devedor da pensão devem se aconselhar com o advogado a respeito do seu direito ou do seu dever de pagar alimentos, pois caso contrário pode ser surpreendido anos depois com a desagradável surpresa de que o direito, mesmo que seja alimentar, não socorre aos que dormem. 

E principalmente os que dormem em berço esplêndido!

Dra. Mônica Cecílio Rodrigues
advogada, doutora em processo civil e professora universitária. 
Para sugestões sobre temas a serem tratados enviar e-mail para monicacradv@hotmail.com

 







EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

Uai Tracker animado
ENQUETE
A Operao Carne Fraca, deflagrada pela Polcia Federal, colocou em xeque a qualidade da carne comercializada no Brasil. O assunto preocupa voc?





JM FORUM
O mais recente LIRAa demonstrou que a infestao do mosquito Aedes aegypti cresceu este ano, na comparao com o mesmo perodo em 2016. Na sua opinio, o que preciso intensificar para reverter este quadro?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2017