Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
  | 
BUSCA:     
Você está visitando a Edição do dia 13/01/2018

 
SOBRE RODAS
Tamanho do texto: A A A A
SOBRE RODAS
13/01/2018

Compartilhar:



É época de férias e, desta vez, tudo está sendo preparado para levar o cãozinho de estimação para a praia. Pela primeira vez, o animalzinho vai fazer uma viagem mais longa porque a família não conseguiu ninguém para ficar com ele, mas afinal, ele é um membro da família e não merece ficar para trás. Está provado que a população do Brasil adora um cachorro, e para isso ficar bem claro, a revista Veja publicou, no ano passado, uma pesquisa do IBGE revelando que o País tem hoje mais cachorros do que crianças – 52,2 milhões de cães contra 44,9 milhões de crianças entre 1 e 14 anos. De acordo com o instituto, 44,3% dos domicílios brasileiros têm pelo menos um cachorro na atualidade. O Sobre Rodas ouviu a médica veterinária Simone Troncoso sobre o que se deve fazer antes de pegar uma estrada com seu cãozinho e os cuidados durante o passeio.

 

Dra. Simone Troncoso explica ainda que é preciso verificar se todas as vacinas do cãozinho estão em dia. “Para o litoral é importante que se tenha precaução contra a dirofilariose (verme do coração). Se o destino for fazenda ou campo, o cuidado deve ser para evitar pulgas e carrapatos” 

 



 

 

 

 

 

 

Sobre Rodas - Quais os cuidados devemos tomar ao levar um cãozinho em viagem pela primeira vez?
Simone Troncoso - Para evitar uma viagem turbulenta, antes de qualquer coisa é preciso que acostume o animal a andar de carro. Primeiramente, apenas faça com que entre e saia do veículo, como se fosse uma brincadeira, e dê a ele uma recompensa sempre que estiver dentro. Depois leve o cãozinho para passear de carro. Percorra distâncias curtas e depois vá aumentando o percurso. Passeie sempre em locais agradáveis, para que ele associe que andar de carro o levará a algum lugar divertido.

SR - Muitas vezes o animal enjoa, mesmo os mais acostumados. Como proceder neste caso? O vento na cara ajuda?
Simone - O enjoo é uma sensação extremamente desagradável que cria uma associação negativa. Para isso, evite que seu cão viaje com o estômago cheio. Você pode, ainda, evitar os enjoos dirigindo de forma ponderada. Acelere e breque suavemente. Se necessário, peça ao veterinário algum remédio para evitar o enjoo. Aquele ventinho na cara e a cabeça pra fora da janela podem despertar a atenção simpática de pedestres e motoristas. No entanto, mesmo parecendo um ato inofensivo, esconde risco à vida do animal e até do próprio motorista.

SR - E quanto à alimentação antes de viajar?
Simone – Não aconselho dar água ou comida ao animal três horas antes de viajar com ele. E durante a viagem deve-se oferecer apenas em pequenas quantidades.
SR - E quanto às paradas, de quanto em quanto tempo devem ser feitas?
Simone - Durante a viagem é necessário que o animal se alimente com frutas ou alimentos leves e beba água para se manter hidratado. Por isso, é importante que ele saia um pouco durante as paradas para fazer suas necessidades fisiológicas e se exercitar. A parada deve ser feita a cada duas ou três horas e esta deve ser feita em locais seguros e apropriados. Prefira parar em postos de gasolina ou postos rodoviários. Evite parar no acostamento porque o movimento dos carros pode assustar seu cão.

SR - Um veterinário pode ajudar aplicando algum remédio no animal para acalmá-lo? É correto fazer isso?
Simone - O médico veterinário irá avaliar a situação e verificar a necessidade ou não de uso de medicamentos. Há alguns casos de animais agitados e/ou nervosos, ou também em longas viagens que a aplicação de um sedativo pode ser necessária.

SR - É bom sempre levar uma guia?
Simone - Não apenas uma guia. Seu cão merece uma bagagem. A bagagem do cão deve ser composta por itens básicos, como: guia e coleira, ração em quantidade suficiente até o final da viagem, potes para água e comida, toalha, brinquedos e caminha. E, claro, farmácia básica recomendada pelo veterinário em casos de emergências.

SR - É necessário levá-lo em gaiola?
Simone - A caixa de transporte é o método mais seguro para transportar seu animalzinho, você poderá encontrá-la em pet shops e em sites de compras. Os preços variam de acordo com a marca e o tamanho, escolha uma adequada ao seu animal para que ele fique confortável durante a viagem. O cinto de segurança para cães permite que o animal fique preso ao banco traseiro e não distraia o motorista.

SR - Também não devemos levar os bichinhos nos bancos da frente?
Simone - De acordo com o Código de Trânsito é vetado o transporte de animais entre as pernas e braços ou do lado esquerdo do motorista, nem mesmo naquela ida rápida até a pracinha. Pode acarretar em infração média e multa. Os animais soltos no carro acabam tirando a concentração não só dos passageiros, mas também do condutor.

SR - E os grandes cães, por que não devemos levá-los na carroceria?
Simone - Transportar animais na cidade ou a passeio em viagens, na parte externa de qualquer veículo, também é contra o Código de Trânsito Brasileiro. Pode acarretar em infração grave e multa. Além disso, corre-se o risco de o animal se jogar do veículo em movimento, podendo se machucar seriamente ou vir a óbito.
 

 







AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018