Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     
Você está visitando a Edição do dia 29/10/2017

 
SAÚDE
Tamanho do texto: A A A A
SADE
29/10/2017

Compartilhar:



 Foto/Reprodução

Lei de 2016 impõe às instituições de ensino – públicas e privadas – o dever de adotar práticas de combate, conscientização e prevenção ao bullying

Apelidos pejorativos, constrangimento público e ataques físicos são alguns dos problemas enfrentados por quem é vítima de bullying. Recentemente, diversos casos desse tipo de violência vieram à tona, gerando mais violência entre os envolvidos. Para a psicóloga clínica, especialista em saúde mental em Uberaba, Fernanda Bosco, o bullying no ambiente escolar é o espelho de uma sociedade intolerante, na qual cada indivíduo adoecido produz e reproduz comportamentos e valores de acordo com seu contexto.

Fernanda Bosco argumenta que, geralmente, nas escolas as crianças e adolescentes extravasam suas perturbações e inquietações psíquicas. “É por meio de um comportamento agressivo ou de excessivo retraimento que a vítima ou aquele que comente o bullying se expressam”, avalia.

É importante que pais, amigos e a equipe escolar fiquem atentos aos sinais dados por quem sofre esse tipo de agressão. Segundo a especialista, entre os sintomas emocionais está a falta de interesse pela escola, sentimento de incapacidade, isolamento, notas baixas, ataques de fúria e impulsividade. “Já os sintomas físicos englobam o choro constante, problemas para dormir, feridas no corpo que a criança/jovem diz não saber como surgiram, falta de apetite, dores de cabeça e na barriga várias vezes ao dia”, revela. Diante disso, é recomendado que os responsáveis conversem com a criança ou jovem, assim como com os professores, e marquem uma sessão com um psicólogo para tratamento e orientação.

Fernanda Bosco destaca, ainda, a necessidade de cuidado por parte das escolas. Segundo ela, em fevereiro de 2016, tornou-se lei o combate à intimidade sistemática, que impõe às instituições de ensino – públicas e privadas – o dever de adotar práticas de combate, conscientização e prevenção ao bullying. “Precisamos falar sobre o que dói, ensinar que as pessoas e a vida vão nos frustrar e que devemos buscar uma maneira saudável de lidar com a emoção e jamais incentivar o ódio ou a revidar, muito menos agir de forma impulsiva e agressiva”, pontua, destacando a importância e a necessidade de acompanhamento psicológico. “Muitas vezes, a criança ou o adolescente se sente mais seguro e confortável em falar com um profissional capacitado a ajudar”, completa a psicóloga.

 







San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018