Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     
Você está visitando a Edição do dia 17/09/2017

 
SAÚDE
Tamanho do texto: A A A A
SADE
17/09/2017

Compartilhar:



  

Além do diálogo aberto e direto, a busca por um psiquiatra é fundamental

De acordo com instituições públicas e privadas que trabalham para reduzir o número de casos em todo o mundo, o suicídio ainda é percebido hoje como um mal silencioso. No Brasil, 32 pessoas morrem por dia, vítimas desse problema. Em Uberaba, o número de tentativas de suicídio aumentou 44%, de 54 casos registrados em 2016 para 78 este ano. Por isso, especialmente neste mês, a campanha Setembro Amarelo busca alertar a população a respeito da necessidade de se falar sobre a questão.

Para especialistas, abordar o assunto publicamente e da forma correta é uma das melhores maneiras de se evitar que muitas pessoas sigam por esse caminho sem volta. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), nove em cada dez casos de suicídio poderiam ser evitados, caso a vítima recebesse auxílio. Números da Associação Brasileira de Psiquiatria mostram que 98,8% dos casos de suicídio estavam relacionados com histórico de doença mental, o que fortalece a convicção de que o mal, na grande maioria das vezes, pode ser evitado.

Para a psiquiatra Analice Gigliotti, chefe do setor de Dependência Química e Outros Transtornos do Impulso da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro, “falar sobre o assunto com quem sofre do problema pode fazer muita diferença”. Isso inclui a conversa com amigos, familiares e outras pessoas próximas a quem demonstra estar em risco. “Comportamentos como o isolamento, a falta de esperança no futuro e uma baixa autoestima levam a pessoa a se descuidar da saúde e da própria higiene, por não fazer mais questão de se cuidar. Isso também se reflete em frases como ‘a vida não vale mais a pena’, ‘vocês ficariam melhor sem mim’ e ‘em breve não vou mais causar problemas’, entre outras expressões. Devemos sempre levar a sério quando alguém fala em cometer suicídio”, explica.

Além do diálogo aberto e direto, a busca por um psiquiatra é fundamental. Cabe ao profissional identificar o tipo de transtorno mental associado ao pensamento suicida e iniciar o tratamento, que pode incluir uso de medicamentos e psicoterapia. “O suicídio é um pensamento que acaba. Após o tratamento, quem superou essa situação pode nunca mais passar por isso. O importante é que o transtorno original seja identificado e devidamente cuidado”, explica o psiquiatra Gabriel Bronstein.

 







San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018