Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
  | 
BUSCA:     
Você está visitando a Edição do dia 14/01/2018

 
SAÚDE
Tamanho do texto: A A A A
SADE
14/01/2018

Compartilhar:



 Foto Jairo Chagas

Patrícia Naves Resende esclarece que os sintomas podem ser confundidos com sinais de envelhecimento

O avanço da medicina, a descoberta de novos tratamentos e melhores hábitos de vida são alguns dos motivos que levam ao envelhecimento tardio, aumentando a expectativa de vida. A má notícia é que uma das implicações disso é a mudança no perfil de doenças. É o caso da fibrose pulmonar idiopática (FPI) que, segundo a pneumologista Patrícia Naves de Resende, é de causa desconhecida e gera nos pulmões um processo contínuo de agressão e reparação anormal – cicatrizes e fibrose –, com consequente “endurecimento pulmonar”.

Patrícia Naves esclarece que os sintomas da FPI podem ser confundidos com sinais de envelhecimento, o que leva à procura tardia de um pneumologista. Falta de ar, tosse seca, diagnósticos de pneumonia recorrentes e cansaço para realizar atividades cotidianas são alguns deles.


A especialista explica que a FPI está associada a elevadas taxas de mortalidade devido à piora progressiva da função respiratória e acomete pessoas acima de 50 anos. “Predisposição genética e exposição contínua a fatores agressores, como tabagismo, podem antecipar o aparecimento da doença. A partir do diagnóstico, os pacientes exibem média de sobrevida de 50% em 2,9 anos”, explica.

Para a pneumologista, a preocupação médica está em estabelecer o diagnóstico correto e precoce, já que há tratamento que pode melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Patrícia Naves pontua que, no Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a comercialização do Nintedanibe e da Pirfenidona, depois da realização de estudos que indicaram queda em mais de 68% dos casos de crises agudas da doença após o uso desses medicamentos, além da redução da piora progressiva da função pulmonar em 50%. “No entanto, ainda não há previsão para a implementação do tratamento no SUS. O custo é elevado, sendo que o paciente precisa desembolsar cerca de R$13 mil por mês por tempo indeterminado”, completa.

 







AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018