Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
  | 
BUSCA:     
Você está visitando a Edição do dia 25/05/2017

 
ALTERNATIVA
Tamanho do texto: A A A A
ALTERNATIVA
25/05/2017

Compartilhar:



Jogando pra frente
Não dá para entender a quantidade de obras públicas cuja entrega tem sido postergada em Uberaba, com aval do município. Raros, raríssimos prazos contratuais têm sido cumprido pelas empresas vencedoras de licitações para execução de obras de engenharia. Em praticamente toda edição do jornal Porta-Voz são publicados extratos de contrato para formalizar prorrogações de prazos para empreiteiras concluírem serviços, em alguns casos até mais de uma vez. De duas, uma: os prazos das obras têm sido subestimados pela comissão de licitação da Prefeitura de Uberaba nos respectivos editais de concorrência pública, ou a Prefeitura está sendo muito tolerante com as empreiteiras e aceitando toda espécie de justificativa para ampliação de prazos. Seja qual for o problema, merece ser analisado e corrigido.

Espere mais um pouco
Na edição do Porta-Voz do dia 19/5, por exemplo, a empreiteira vencedora de licitação para construção de escola municipal ganhou mais três meses para terminar uma obra relativamente simples. Esse foi um dos casos, mas há outros tantos iguais. Além disso, no caso dos novos braços do BRT, já caminhamos para o segundo aditivo contratual, visando esticar ainda mais o prazo para entrega do serviço, conforme comentei aqui com vocês ontem. Não estaria o município sendo muito benevolente? Afinal, quem participa de uma licitação para execução de obra já sabe previamente quanto tempo terá para terminar o serviço. Mas, aqui em Uberaba, anda parecendo que prazo de contrato é sempre “relativo” ou mera formalidade sem importância. E assim as obras vão sendo postergadas, uma atrás da outra.

Sem teto

OAB de Conceição das Alagoas está de “pires na mão”, pedindo às autoridades que cumpram a palavra e destinem terreno outrora reservado para a construção da sede da entidade. Para surpresa dos mais de 100 profissionais daquela cidade, a Prefeitura de lá resolveu doar o terreno para a sede do Ministério Público, que não conta com nenhum representante residindo em Conceição. Projeto nesse sentido foi enviado à Câmara. Não precisa dizer que os advogados ficaram muito revoltados. Porém, há expectativa de que o prefeito Celson Pires reveja a posição e não privilegie o MP em detrimento da OAB. Afinal, o município vizinho deve possuir área adequada tanto para um quanto para outro.

No vermelho - Segundo dados do Portal da Transparência do governo de Minas Gerais, a dívida do Estado com a Prefeitura de Uberaba beira os 22 milhões de reais apenas na área da Saúde. Um dos itens que mais chamam atenção é o Pro Hosp, cujos recursos são destinados ao custeio dos leitos ocupados por pacientes do SUS em hospitais conveniados. Só nesse item a dívida de 2016 é de quase R$1,8 milhão, sendo que ainda existe uma parcela extra de mais de R$2 milhões também do ano passado que não foi paga. Dados foram apurados até 31 de março e, obviamente, já devem ser maiores agora, em maio.

Olha o calote! -
Existem recursos do chamado extrapolamento do número de atendimentos em Saúde que estão com pagamentos atrasados desde 2015. Tudo isso se reflete diretamente no serviço prestado aqui, inclusive nos hospitais conveniados. Os dados disponíveis foram fechados no fim de março, ou seja, claro que a dívida de lá pra cá aumentou. No total, o governo de Minas deve para todos os 853 municípios mineiros mais de R$1,5 bilhão. A conta é exorbitante e praticamente impagável.

Má gestão

No programa Saúde em Casa, a dívida do Estado está na casa dos R$2 milhões, ou seja, são justamente programas como esses que ajudam a evitar a superlotação em UPAs e hospitais, mas ao que parece falta gestão ao governo do Estado e sobram problemas para os municípios. Os dados completos podem ser pesquisados em transparencia.mg.gov.br.

Situação gravíssima
Cenas de guerra dominaram a Capital Federal nessa quarta-feira. Os protestos contra o governo Temer extrapolaram todos os limites do bom senso e partiram para a violência explícita. A Esplanada dos Ministérios mais parecia praça de guerra, com manifestantes ateando fogo e depredando prédios do governo, e tropas federais foram acionadas para reforçar a segurança. Cenas verdadeiramente assustadoras, com bombas estourando a todo instante.

Baderna no Congresso
A quarta-feira também foi marcada por enorme confusão e um empurra-empurra generalizado na Câmara dos Deputados. Uma gritaria sem limite, acusações, parlamentares perdendo literalmente a compostura. Verdadeira selvageria. A sessão chegou a ser suspensa. Na véspera, o senador Tasso Jereissati chegou a ser agredido por manifestantes e teve de deixar o Senado sob escolta. As pessoas parecem cegas pelo ódio e dominadas por paixões políticas.

Agonia sem fim
Quanto mais tempo o presidente Michel Temer permanecer no cargo, maior será a agonia do nosso país. Mesmo que ele associe renúncia a confissão de culpa, o país não pode continuar paralisado à espera de uma solução milagrosa. A hora impõe responsabilidade dos nossos políticos, em especial do presidente da República, com a nossa sociedade.

Novidade

Sabe o que está a caminho do Shopping Uberaba? O Restaurante Madero, considerado “the best burger in the world”. O Madero faz sucesso em todas as cidades onde está presente, mas a moçada uberabense foi fisgada por ele no Shopping de Ribeirão. Agora vai ter Madero aqui também! Bom demais!







AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2019