Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
  | 
BUSCA:     
Você está visitando a Edição do dia 08/02/2018

 
ALTERNATIVA
Tamanho do texto: A A A A
ALTERNATIVA
08/02/2018

Compartilhar:



Aquela Praça
Recebi e faço o registro do comentário da historiadora Maria Antonieta Borges Lopes, a propósito da “revitalização da Praça Rui Barbosa”, com previsão de derrubada de árvores para dar lugar a corredores de ônibus: “Lendo sua coluna de hoje sobre o corte de árvores na Praça Rui Barbosa, preâmbulo de uma próxima reforma, lembrei-me de uma crônica de anos atrás, escrita pelo padre Prata, em que ele afirma que a Praça Rui Barbosa tem sido, por anos a fio, ‘um campo de experiências dos prefeitos de Uberaba’. Poucos se livraram dessa tentação. Quando o Hugo Rodrigues da Cunha fez a última reforma, instalou aquele lamentável Coreto (banheiro público, refúgio de usuários de drogas), onde nada de bom raramente acontece. O aspecto da Praça só melhorou depois que as árvores cresceram. Lembrei-me ainda das inumeráveis vezes em que, dando aulas de história de Uberaba, iniciava a projeção de fotos, que mostravam as sucessivas transformações  sofridas pela Praça, os alunos sempre se horrorizavam e se mostravam chocados com a persistência  do ‘enfeiamento’ que se seguia a cada reforma. Lembrando: quando o Dr. João Guido foi prefeito, a praça foi transformada em estacionamento e ponto de ônibus. Nunca foi tão feia. Envio por ‘uma questão de princípios’ e por apoio à sua opinião exposta na Alternativa”. Vale a reflexão para evitarmos novo “enfeiamento” da principal praça da cidade, bancado pelos cofres do Município.
 
Explicações

Vereador Kaká Carneiro vai procurar o secretário de Planejamento e Obras, Nagib Facury, na tentativa de evitar novas supressões de árvores nos espaços públicos da cidade, em especial nas obras de revitalização da Praça Rui Barbosa. Por incrível que pareça, os vereadores aprovaram o projeto e não perceberam que as árvores seriam derrubadas. Mas ainda dá tempo de evitar o pior.
 
Dois pesos...

Leitora da coluna conta, por email, que certa vez precisou cortar galhos de uma árvore no quintal da sua casa, porque as folhas estavam entupindo as calhas. Nem era para derrubar a árvore inteira. Apenas galhos. Requereu autorização à Secretaria de Meio Ambiente. Pra quê? Teve de apresentar escritura atualizada do imóvel, RG, CPF, certidão negativa de débitos municipais, enfim uma série de documentos e ainda teve de esperar a visita de biólogo para verificação da real necessidade de cortes dos galhos da árvore que estava (e ainda está) no quintal da casa dela. Pois é. Para alguns são feitas todas essas exigências...
 
Menos mal – A propósito da supressão do flamboyant florido na rua Duque de Caxias, no passeio da Escola Municipal Frei Eugênio, a Prefeitura justifica que a árvore caiu em decorrência das chuvas fortes e ventania. Porém, os “restos mortais” estavam lá na calçada até ontem de manhã...
 
De novo – Logo depois do carnaval, a Secretaria de Desenvolvimento Social fará licitação para locação de ônibus para o transporte de portadores de necessidades especiais e mobilidade comprometida. Despesa está estimada em R$ 285 mil por ano para o Município.
 
Difícil agrado

Nos últimos dias tenho ouvido muitas críticas ao carnaval anunciado pela Fundação Cultural de Uberaba para este ano. Uns não se conformam com o gasto de R$ 69 mil para trazer o Sambô. Outros lamentam o fim dos desfiles das escolas de samba, e há, ainda, quem reclame do local para a festa de Momo. Mas, francamente, quando Uberaba tinha só desfile de escola de samba vivíamos recebemos reclamações da pobreza que era o carnaval de Uberaba. E não faltavam comparativos com outras cidades, como Campina Verde, que faziam carnaval popular. Agora que Uberaba terá finalmente um carnaval popular, o que é que está errado? Gente, temos de andar pra frente. O que passou, passou. Desfile de escola de samba é para o Rio de Janeiro, que sabe fazer um grande espetáculo no sambódromo.
 
Agora???

Acredite se quiser: somente agora, no começo de fevereiro, a Secretaria de Meio Ambiente resolveu publicar o edital de licitação para contratação de construtora visando a reforma dos banheiros do Bosque Jacarandá, fechado há meses para visitação pública. E olhe que é obra de R$ 40 mil, no máximo. Se fosse R$ 40 milhões, quando é que esse edital seria publicado?
 
Nova UBS

Resultado de licitação para contratação de empresa de engenharia para construção da Unidade Básica de Saúde no Residencial 2000 somente será conhecido em meados de março. Obra está estimada em pouco mais de R$ 1,1 milhão, mas o secretário Iraci Neto espera conseguir contratá-la por preço menor.  Oremos!
 
De olho na dengue

Sempre atenta à advocacia e ao povo mineiro, a Caixa de Assistência dos Advogados de Minas Gerais (CAA Vanguarda) declara guerra à dengue e volta a alertar sobre o perigo da doença e a importância da conscientização para a prevenção. Durante o mês de fevereiro, a CAA/MG distribui pequenos cartazes, com informações sobre como evitar a proliferação do mosquito, para todas as subseções do Estado. O objetivo é incentivar advogadas e advogados mineiros e seus familiares a realizarem um simples check-list para o controle dos focos nas casas e escritórios. Com apenas dez minutos por semana, é possível monitorar rigorosamente os locais onde as fêmeas do Aedes podem depositar seus ovos, neutralizando a perigosa ameaça.
 
A partir de amanhã até o dia 21 esta coluna estará sob a responsabilidade da jornalista Marilu Teixeira.

 







AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018