Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     
Voc� est� visitando a Edi��o do dia 22/01/2017

 
FALA DEPUTADO
Tamanho do texto: A A A A
FALA DEPUTADO
22/01/2017
Marcos Montes Cordeiro

Compartilhar:



 Bancada do PSD foi convidada para ouvir as propostas do atual presidente da Câmara dos Deputados e candidato à reeleição

Bem-vindos! Fico feliz em poder abrir esta coluna hoje, refletindo sobre um tema mais ameno: as declarações feitas pelo presidente do Banco Central do Brasil, Ilan Goldfajn, em Davos, na Suíça. Durante entrevista coletiva promovida pelo Fórum Econômico Mundial, Goldfajn analisou que a política monetária do Brasil entrou em um novo tempo, se referindo à queda (de 0,75%) da taxa básica de juros, e dando a entender que as próximas reduções vão continuar nesse ritmo.

Brasil tem jeito. Eis aí, finalmente, um motivo para comemorarmos. Poucos dias antes de seguir para Davos, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, já havia antecipado um discurso mais otimista, através de vídeo postado nas redes sociais. Disse que o pacote de medidas anunciado pelo governo, no fim do ano passado, pretende tornar o Brasil mais eficiente e mais produtivo. Refletiu ele, naquela oportunidade, que “o Brasil tem jeito”.

Complemento. As declarações de Meirelles – por sinal, companheiro de PSD – foram muito bem-vindas e não há razão para não levá-las a sério. Entretanto, é sabido de todos que, para o pacote de medidas alcançar o resultado desejado, é imprescindível a ocorrência de outros fatores, entre eles, a redução da taxa de juros e a queda da inflação. Portanto, a entrevista do presidente do Banco do Central trouxe, sem sombra de dúvida, o complemento necessário.

Irresponsabilidade. Essa expectativa de um futuro melhor, entretanto, não pode e não deve provocar desleixos ou descuidos como aconteceu no período de bonança, tempo em que a economia mundial acabou beneficiando o Brasil, e o então governo Lula, sem planejamento e sem qualquer compromisso com o povo brasileiro, gastou o que tinha e o que não tinha. E levou junto as economias dos Estados e dos municípios.

Municípios em crise. Tenho conversado com prefeitos amigos e aliados, reeleitos e eleitos em outubro de 2016, e as queixas são de que os municípios enfrentam a pior crise financeira dos últimos tempos. A gravidade da situação já era conhecida durante a campanha, principalmente pelos candidatos à reeleição. Tanto que, a principal promessa de palanque foi o corte de gastos para se buscar o equilíbrio das contas.

Sabor amargo. Infelizmente, o equilíbrio das economias municipais – a exemplo dos cofres federais e estaduais – precisa passar, obrigatoriamente, por decisões amargas, de forma que empregos, ações sociais e investimentos em infraestrutura encontrem um futuro mais otimista.

Indigesto. Cito como exemplo o prefeito reeleito Paulo Piau, de Uberaba (MG), onde tenho domicílio eleitoral, minha principal base política e fui prefeito em duas gestões. Conheço sua índole e sensibilidade e tenho certeza de que ele não está nem um pouco contente com algumas medidas adotadas para o segundo mandato. A decisão de reduzir funções na administração municipal e cargos de confiança é uma destas medidas, que Paulo Piau, com certeza, gostaria de não ter que adotar.

Esforços. Reconheço que, ao lado do vice-prefeito João Gilberto Ripposati (filiado ao PSD, que presido em Uberaba), o prefeito Paulo Piau não está medindo esforços para superar a crise econômica brasileira. Eles sabem que, se não houver uma economia ampla na Prefeitura de Uberaba, o futuro será muito pior, atingindo a todos os uberabenses.

Prevenção. A situação de Uberaba se repete na grande maioria das prefeituras. Os reeleitos e eleitos em 2016 sabem que a gestão 2017/2020 depende das medidas adotadas neste início de governo. Sem reduzir a máquina administrativa, os prefeitos correm o risco de, dentro de pouco tempo, não terem como pagar salários dos servidores e nem como promover as ações tão importantes para a população.

Articulador. E falando em Uberaba, quero parabenizar o vereador Luiz Dutra, do PMDB, pela eleição para presidente da Câmara de Vereadores. Dutra comprovou, mais uma vez, sua capacidade de articulador, conquistando, inclusive, meu companheiro de PSD, Agnaldo Silva, que assumiu a vice-presidência. Aos dois, e ao primeiro e segundo secretários, Alan Carlos e Fernando Mendes, desejo muito sucesso na administração do Poder Legislativo de Uberaba.

 

ARTICULAÇÕES. Marcos Montes e Luiz Dutra passaram parte da festa dos servidores municipais de Uberaba, no ano passado, trocando ideias ao pé do ouvido. Em pauta, a Mesa Diretora da Câmara de Vereadores para 2017/2018 – conforme admite o deputado federal (Foto: Marco Aurélio Ferreira Cury)

Câmara dos Deputados. E lembro que neste início de semana o PSD deve anunciar sua opção para a presidência da Câmara dos Deputados. Com a prerrogativa da bancada e do comando nacional para liderar as conversas sobre a participação da legenda na Mesa Diretora, eu marquei reunião com o atual presidente e candidato à reeleição, Rodrigo Maia, do DEM, para segunda-feira.

Ação coletiva. Particularmente não tenho nada contra a administração de Rodrigo Maia. Pelo contrário. Entendo que ele tem se saído muito bem e que está preparado para mais um mandato. Porém, esta tem que ser uma decisão de bancada. Por isso, convidei os deputados federais do PSD para a reunião, quando todos poderão questionar pessoalmente e ouvir as propostas do candidato.

Agradecimento. E não poderia encerrar a coluna sem agradecer o apoio que tenho recebido dos colegas parlamentares – desde a eleição para liderar a bancada do PSD em 2017, até a lembrança do meu nome para a presidência da Câmara, em manifestação da Frente Parlamentar da Agropecuária, que tenho a honra de presidir até fevereiro.

*Marcos Montes é deputado federal, vice-líder da bancada do PSD (líder eleito para 2017) e presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Ele escreve esta coluna semanalmente







San Marco
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

ENQUETE
Apesar de a PMU descartar surto de meningite na cidade, h aumento significativo no nmero de casos. A vacinao a forma mais eficaz de preveno. Voc est com a imunizao em dia?







JM FORUM
Aps pedidos de moradores e vereadores, o albergue municipal vai se mudar do Boa Vista para a av. Orlando R. Cunha. Na sua opinio, a mudana positiva?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018