Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     
Voc� est� visitando a Edi��o do dia 21/11/2015

 
ENTREVISTA
Tamanho do texto: A A A A
ENTREVISTA
21/11/2015

Compartilhar:


OUTRAS COLUNAS



Duas chapas concorrem às eleições na 14ª subseção da Ordem dos Advogados. Vicente Flávio Macedo Ribeiro busca a reeleição, tendo como candidato a vice Ricardo Marques Perdigão. A chapa de oposição é liderada por Euseli dos Santos, e sua candidata a vice é Jane Fatureto. Conheça aqui um pouco sebre as propostas e posições dos dois candidatos.


JM – O que o levou a disputar as eleições da OAB neste ano?
EUSELI: Sabe, muitos de meus companheiros de chapa, quando eu fui convidá-los a vir comigo, fizeram a mesma pergunta. Sinto-me até bastante realizado como advogado. Inclusive atuando há anos na OAB, já fui Conselheiro, sou Delegado da Caixa de Assistência, mas tenho o ideal de servir à nossa classe. Sei que, por ser uma pessoa bastante simples, não fui muito acreditado no início. Mas existe uma diferença muito grande entre ser simples e ser tolo. Assim como entre ser velho e ser velhaco... Tenho meus ideais, estou cercado por companheiros valorosos e sei que poderemos, em três anos, provocar profundas e drásticas modificações, que os advogados de Uberaba esperam de sua Ordem.

JM - Sua campanha à presidência da OAB é considerada um “azarão” nessas eleições. O senhor também a vê assim?
EUSELI:
No início poderia ser; hoje, não. O volume de adesões que recebemos e o impacto positivo causado por nossas propostas fizeram com que as duas candidaturas atualmente em disputa se igualassem. A ponto de não haver ninguém hoje querendo arriscar um resultado. Para a nossa chapa, que nasceu como azarão, já é uma grande vitória!

JM - Das propostas que sua Chapa vem apresentando, qual o senhor interpreta como a mais ousada?
EUSELI:
Eu não diria a mais ousada, mas a que mais faz justiça à nossa classe é a de oferecer cursos de atualização gratuitos aos associados. Existem diversas faculdades e entidades jurídicas que podemos conveniar e trazer, sem custo, os cursos rápidos e efetivos de atualização, colocando nossos advogados, principalmente os jovens, em pé de igualdade com os mais modernos escritórios do país. E isso nós vamos fazer.

JM – No seu material, distribuído aos associados, sua Chapa fala bastante na defesa da “Mulher Advogada”; qual a grande preocupação nesse sentido?
EUSELI:
Olha, recentemente um juiz federal baixou uma portaria estabelecendo métricas para a vestimenta das mulheres adentrarem o foro. Duas coisas me espantaram: o juiz precipitar-se, pois não deu às advogadas de Uberaba a chance de provarem sua virtude, e a OAB local não haver intercedido em favor delas. Além disso, basta sentar numa roda de advogadas e você logo vai tomar conhecimento do sem-número de constrangimentos a que elas são submetidas no seu dia a dia. Vai ouvir sobre a “cantada sutil”, desde colegas até de juízes... Vai ouvir sobre alguns constrangimentos graves a que são submetidas, por exemplo, na área criminal... e assim por diante. Foi daí que lançamos a ideia, plenamente adotada pelas mulheres que integram nossa chapa, de criar um instituto em defesa da Mulher Advogada.

JM – Que vocês batizaram como “Instituto Myrthes Campos”. Ele depende da sua vitória para ser criado?
EUSELI:
Não. Ele será um organismo independente da OAB. Minha vice, a Jane Fatureto, que é muito proativa, já está trabalhando nos estatutos e o Instituto nascerá em breve. O que não podemos concordar, em pleno século XXI, é que as entidades jurídicas, OAB inclusive, mantenham essa patrulha machista sobre as mulheres que optaram pela carreira da advocacia. A própria Myrthes Campos, que foi a primeira advogada do Brasil a ser admitida na Ordem, só conseguiu esse feito após oito anos de tentativas. E mesmo assim sua admissão se deu por 23 votos a favor e 15 contrários!

JM: O senhor vai desligar a OAB do chamado “Grupo dos Nove”, de Uberaba, no caso de sua vitória?
EUSELI:
Eu queria deixar bem claro que não tenho absolutamente nada contra esse grupo, formado por nove importantes entidades uberabenses. O que acontece é que, no mês passado, o atual presidente do G9 veio a público e disse, via imprensa, que o grupo irá lançar candidato a prefeito e a vereador nas eleições de 2016. Ora, basta ler os estatutos da OAB para qualquer um ver que é uma atividade incompatível com a Ordem. Porque interfere em algumas prerrogativas muito caras aos advogados, como a isenção, a imparcialidade. Por isso eu acho que, pelo menos neste período de eleições, a OAB não deveria estar presente em um grupo que irá disputar eleições.

JM: O presidente atual da OAB, no entanto, não viu nada demais nessa iniciativa...
EUSELI:
Eu já disse, em outra entrevista, que só posso falar por mim e pela minha chapa. Acredito que é muito válido o G9 lançar candidatos, entrar na política..., mas sem a OAB! Se os atuais diretores da Seccional da OAB de Uberaba querem entrar na política partidária, deveriam fazê-lo de modo pessoal. Imiscuir a OAB nessa atividade é desrespeitar a isenção de nossa classe, é rasgar os Estatutos da Ordem. E se nós, advogados, concordarmos com isso, não poderemos nos impor diante da sociedade com a imparcialidade e lisura que nossa atividade exige. Juntamente com o Judiciário, somos responsáveis e avalistas por eleições políticas livres e isentas. Se tomarmos partido, se disputarmos as eleições, isso perde o sentido!

JM: Na sua opinião, qual é o mais grave problema enfrentado na atualidade pelos advogados uberabenses?
EUSELI:
São muitos. Fica difícil quantificar. Creio que o maior deles é o descaso da atual gestão na defesa e valorização do advogado, de nossas prerrogativas profissionais. Há, também, por exemplo, o caso do arbitramento de honorários. Todos nós sabemos que esse assunto está beirando as raias do ridículo, do escárnio! Porém, o que mais nos espanta é ver a nossa OAB, a nossa Casa, não se insurgir contra esse estado de coisas. Embora meu perfil seja da paz, pode ter certeza de que esses assuntos, para mim, serão tratados como guerra! A OAB tem o dever, aliás a obrigação, de lutar contra esse estado de coisas. E é uma das primeiras lutas que irei encampar quando presidente!

JM: E quanto às inovações previstas para o sistema Judiciário?
EUSELI:
É outra obrigação que entendo ser da OAB. Estamos às vésperas de muitas inovações com o advento da Justiça Eletrônica; há também as inovações do CPC. Enfim, a OAB precisa ser um organismo vivo, latente, preocupado em manter o advogado sempre atualizado e pronto a atuar num mercado cada dia mais ágil. Sem falar nas ramificações do Direito, que seguem as tendências da modernidade. É isso que não vejo na OAB de Uberaba. É isso que nos falta. Quero, em minha gestão, provocar transformações profundas. E serão de tal ordem que, após nossa diretoria, todos dirão que realmente surgiu uma “Nova Ordem”, que é o nome de nossa chapa!



 

JORNAL DA MANHÃ: Por que OAB Mais Forte?
VICENTE FLÁVIO:
Nossa gestão valorizou a advocacia, prestigiou as prerrogativas e agora, com a chegada de novos integrantes que antes faziam parte de outros grupos, como nosso vice-presidente, Ricardo Perdigão, ainda ficamos mais fortes. Temos uma base sólida, estruturada e contamos com apoio, como dos ex-presidentes Eduardo Azank, Leuces Teixeira e Luiz Artur de Paiva Corrêa, o Tuca. Também são apoiadores os advogados Paulo Emílio Derenusson, Eduardo Augusto Jardim e Maria Angélica Queiroz Cosci, integrantes da atual diretoria, além dos advogados Vinicius Carneiro Gonçalves, João D’Amico, Paulo Pimenta, entre outros. Além disso, queremos avançar ainda mais em tudo aquilo que nós já fizemos, porque a OAB Uberaba hoje já é mais forte que há três anos.

JM: Temos visto um tom de agressividade da chapa adversária e até mesmo ataques pessoais aos integrantes de sua chapa. Qual a sua opinião sobre isso?
VICENTE FLÁVIO:
Críticas construtivas devem ser analisadas para sabermos se podemos melhorar alguma coisa. Elas até nos ajudam. Já esses ataques pessoais com alegações ocas e sem conteúdo devem ser desprezados, porque não nos levam a nada produtivo e só contribuem para baixar o nível da campanha eleitoral. Já declarei que não tenho qualquer interesse em me filiar a nenhum partido político em razão da minha atividade profissional, que é a advocacia. Respeito quem se dispõe a disputar eleições para cargos públicos, mas esse não é meu foco. Meu foco é a OAB. Repito e quero deixar bem claro: meu foco é a OAB. Agora, o que vemos é que, uma vez que nosso opositor foi candidato a vereador, no passado, pelo PT, e pela postura que ele vem demonstrando e até mesmo pela estrutura de campanha que há por trás dele, acredito que queira a OAB como trampolim eleitoral para, no futuro, vir a emplacar sua candidatura novamente para vereador, já que as eleições municipais se aproximam. Não podemos, em hipótese nenhuma, aceitar o partidarismo dentro da OAB, porque a última vez que isso aconteceu, há alguns anos, talvez tenha sido a época em que a OAB esteve mais desprestigiada, justamente porque estava vinculada a somente uma área, quando na verdade temos advogados filiados em vários partidos políticos inscritos na OAB/Uberaba.

JM: O que é mais importante para que a OAB seja mais forte?
VICENTE FLÁVIO:
O mais importante é e sempre será o advogado. Pretendemos realizar ciclos de palestras e cursos sobre as prerrogativas e sobre os direitos dos advogados para que, em cada momento que o advogado tiver alguma dificuldade em sua atividade, ele seja o primeiro a se defender. Com isso, as reações espontâneas e pessoais deixarão a OAB ainda mais forte. Assim que a OAB toma conhecimento de um fato, imediatamente as providências são tomadas em defesa das prerrogativas. Um exemplo foi o caso da Portaria que impedia as advogadas de adentrarem no prédio da Justiça Federal com os braços expostos. Fomos ao Tribunal, que reconheceu que existia a necessidade de revogar aquela Portaria. Pronto! Dever cumprido, a OAB valorizou e defendeu a classe e fez valer sua voz.

JM: Quais são suas prioridades caso sua chapa seja eleita para a próxima gestão?
VICENTE FLÁVIO:
No dia 29 de fevereiro, teremos a implantação do PJe (Processo Judicial Eletrônico) no âmbito da Justiça Comum. Temos que preparar os advogados ainda não acostumados com esse ambiente eletrônico para trabalharem no PJe. Uma das nossas prioridades é oferecer o máximo possível de cursos sobre o assunto para auxiliar os advogados. Dentro desse contexto, vamos trazer por mais vezes ainda a certificação digital. Além disso, imediatamente vamos implantar um curso sobre o novo CPC, que entrará em vigor no mês de março. Os advogados Eduardo Azank e Luiz Correa irão oferecer gratuitamente um curso sobre o assunto na nova sede da OAB Uberaba, que já está sendo equipada e mobiliada para receber bem nossos advogados e advogadas.

JM: Quais são as principais propostas para a advocacia?
VICENTE FLÁVIO:
Na última campanha elencamos 67 propostas sérias, das quais conseguimos cumprir 82%. Algumas não foram cumpridas em razão de o Fórum não ter ficado pronto. Agora estamos com mais 70 propostas nesta campanha e abertos para mais sugestões. Nossa intenção é cumprir uma a uma, o que faremos no decorrer dos próximos três anos, se os advogados permitirem que passemos para uma nova gestão. Cada advogado recebeu nosso material de campanha com as propostas, que também podem ser conferidas em nossa página oficial: Facebook.com/OAB Mais Forte Uberaba.

JM: Faça um balanço da sua gestão à frente da OAB/Uberaba nestes últimos três anos.
VICENTE FLÁVIO:
Nossa gestão foi totalmente compartilhada com a diretoria, com o conselho e com as comissões. Estivemos sempre consultando outros profissionais – mesmo não fazendo parte do quadro de gestores da OAB –, que nos ajudaram a gerir a OAB nestes últimos três anos. Deixamos a classe mais unida. Passaram as eleições, descemos dos caminhões, tiramos os adesivos e nos unimos para uma nova fase, trabalhando para nossa classe, sem qualquer outro interesse. E chegamos ao resultado que temos hoje, de muito trabalho e de muitas realizações.

JM: É crescente o número de jovens advogados que se inserem no mercado de trabalho. Existe um projeto específico voltado para esse profissional?
VICENTE FLÁVIO:
Temos no jovem advogado um colega ao qual devemos oferecer estrutura para desenvolver suas atividades. Esses profissionais, ao passarem pelo filtro do Exame de Ordem, chegam tecnicamente bem preparados, mas a questão ética, de disciplina e de moral não passa nesse filtro, pois não há como avaliar isso. Nosso objetivo é ter uma OAB Jovem muito forte para oferecer cursos nesse sentido e sempre relembrar esses profissionais do nosso juramento, que tem tudo o que um novo advogado precisa. Também estenderemos nossos projetos de inclusão dos advogados na mídia, com participação em programas de rádio e TV, ações voluntárias, para que os mesmos sejam conhecidos e inseridos no mercado de trabalho com ética e prontos para defender nossas prerrogativas e cumprir com nossos deveres e obrigações.

JM: Por que os advogados devem votar na Chapa OAB Mais Forte?
VICENTE FLÁVIO:
A Chapa OAB Mais Forte reúne grandes personalidades da advocacia uberabense. São todos de ilibada moral e pessoas de bem, dispostas a trabalhar. Os resultados que alcançamos nesta gestão em curso nos habilita a pleitear esse novo triênio que virá e cumprir as 70 propostas que elencamos como prioridade da nossa futura gestão. A Chapa 1 – OAB MAIS FORTE possui todos os requisitos para fazer a advocacia de Uberaba mais valorizada, mais representativa e, também, para observar as prerrogativas dos advogados. Estamos vivendo um momento muito positivo, com uma nova sede, um novo fórum, um novo CPC e o PJe para melhorar nossos prazos. Temos também uma relação muito boa com o presidente da CAA-MG, Dr. Sérgio Murilo, e com nosso amigo Dr. Antonio Fabrício, que será presidente da OAB/MG. Com toda essa estrutura, traremos bastante conhecimento técnico para os advogados, com a realização de grandes cursos e congressos, que já estão apalavrados. Por isso a chapa OAB Mais Forte é a mais bem preparada para assumir a OAB/Uberaba em janeiro de 2016.
 







San Marco - 9fev
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

ENQUETE
Apesar de a PMU descartar surto de meningite na cidade, h aumento significativo no nmero de casos. A vacinao a forma mais eficaz de preveno. Voc est com a imunizao em dia?







JM FORUM
Aps pedidos de moradores e vereadores, o albergue municipal vai se mudar do Boa Vista para a av. Orlando R. Cunha. Na sua opinio, a mudana positiva?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018