Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
  | 
BUSCA:     
Você está visitando a Edição do dia 12/01/2018

 
POLÍTICA
Tamanho do texto: A A A A
POLTICA
12/01/2018

Compartilhar:


OUTRAS COLUNAS



 Remuneração dos deputados estaduais de Minas Gerais virou caso de Justiça. O Ministério Público Federal (STF) foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar o aumento automático para os 77 parlamentares, alegando a institucionalidade da Resolução 5.459/14, que trata do assunto.

Segundo a legislação editada em 2014, sempre que houver reajuste na Câmara dos Deputados e o pagamento da verba do paletó (equivalente a dois salários), haverá também o aumento automático do contracheque dos parlamentares. Em 15 páginas, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, determina a suspensão urgente da resolução sob argumento de que o assunto somente pode ser tratado por lei específica.

A ação proposta pela PGR chegou ao Supremo no dia 13 de dezembro. No dia 18, às vésperas do recesso no Judiciário, foi encaminhada à relatoria do ministro Luiz Fux. Não há, portanto, previsão de julgamento. A ALMG declarou que somente comentará o caso após notificação pelo STF.

O que fala a Constituição. A Constituição Federal de 1988 prevê que deputados estaduais de todas as unidades federativas podem receber até 75% do que é pago aos parlamentares federais. Na avaliação de Dodge, essa vinculação não caracteriza, contudo, aumento automático nas assembleias estaduais, como prevê a famigerada resolução. Em 19 de dezembro de 2014, a Câmara dos Deputados aprovou reajuste na remuneração dos parlamentares, de R$ 26.723,13 para R$ 33.763 a partir de 1º de fevereiro de 2015, a legislatura seguinte. De forma automática, a ALMG repassou o aumento aos deputados estaduais, que desde 2015 passaram a receber R$ 25.322,15 brutos.

Verba do paletó. A verba do paletó é paga no primeiro e no último mês do mandato, equivalente aos mesmos R$ 25.322,15 em cada parcela. Segundo a PGR, a verba é deveras inconstitucional, porque a resolução e a Lei 20.337/12 não especificam que trabalho extraordinário, dano ou despesa a ser compensada com a verba, o que levaria ao entendimento de que ela é uma espécie de remuneração. Contudo, a Constituição prevê que o subsídio só pode ser pago em parcela única, o que torna ilegal verba com caráter remuneratório como Dodge entende ser a verba do paletó.

 *Com informações do Estado de Minas







AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018