Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
POLÍTICA
Tamanho do texto: A A A A
POLTICA
26/04/2017

Compartilhar:


OUTRAS COLUNAS



 O projeto de lei da reforma trabalhista (PL 6787/16) está na pauta do plenário na última semana de abril. Os deputados podem votar ainda os destaques que tentam alterar a proposta sobre a recuperação fiscal dos estados (PLP 343/17). Ambos os projetos são do Poder Executivo.

A reforma trabalhista, aprovada ontem na Comissão Especial, está pautada para as sessões de hoje e quinta-feira (27). Dos deputados ligados a Uberaba, a expectativa é que os aliados do governo Michel Temer (PMDB) votem favoravelmente ao PL, casos de Aelton Freitas (PR), Caio Narcio (PSDB) e Marcos Montes (PSD). Há dúvidas sobre Zé Silva (SD), e Adelmo Carneiro (PT) será contrário.

Segundo o substitutivo do deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) para o PL 6787, os acordos entre patrões e empregados poderão prevalecer sobre a lei como regra geral. O texto lista 16 temas para exemplificar esse ponto, como banco de horas, parcelamento de férias e plano de cargos e salários. O projeto original limitava a prevalência a 13 pontos específicos.

O texto também cria a figura do trabalho intermitente, com grandes intervalos dentro da jornada e convocação do empregado com três dias de antecedência. Os pagamentos serão por hora trabalhada e o empregado receberá vários direitos após o cumprimento do trabalho, como férias, 13º salário proporcional e adicionais legais.

Outro ponto previsto é a regulamentação do teletrabalho, possibilitando que o empregado preste serviços da sua casa ou mesmo viajando, via internet ou redes privadas. A compra e a manutenção de equipamento para o chamado home office devem ser definidas em contrato.

Foi rejeitado por 23 a 10 requerimento da deputada Benedita da Silva (PT-RJ) para que fosse retirado de pauta o projeto da reforma trabalhista (PL 6787/16), aprovado ontem na comissão especial da Câmara. Benedita da Silva argumentou que não houve tempo para análise do novo substitutivo, apresentado pelo relator, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN).

A deputada criticou medida prevista no substitutivo que altera artigo da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) para permitir que mulheres grávidas trabalhem em ambiente insalubre desde que a empresa apresente atestado médico que ateste que o ambiente de trabalho não oferece riscos.







Boulevard
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

ENQUETE
J esto em vigor as novas determinaes da Anac, que permitem s companhias areas cobrar pelo despacho de bagagem. Na sua opinio, a medida afastar os viajantes?





JM FORUM
Na semana que marca a luta antimanicomial, quais bandeiras devem ser levantadas junto ao poder pblico para garantir melhorias aos pacientes em Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2017