Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
  | 
BUSCA:     
Você está visitando a Edição do dia 05/03/2018

 
GERAL
Tamanho do texto: A A A A
GERAL
05/03/2018

Compartilhar:



 Reprodução


Tônia Carrero morreu na noite de sábado aos 95 anos, após não resistir a uma parada cardíaca durante a realização de procedimento cirúrgico

A atriz Tônia Carrero, de 95 anos, morreu na noite desse sábado (3) na Clínica São Vicente, no Rio de Janeiro. Ela estava internada desde sexta-feira (2) para a realização de um procedimento cirúrgico simples, mas não resistiu a uma parada cardíaca. O velório aconteceu neste domingo (4), das 14h às 22h, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O corpo será cremado nesta segunda-feira (5), às 12h, no Memorial do Carmo.

Tônia Carrero nasceu no Rio de Janeiro, em 23 de agosto de 1922, e foi batizada como Maria Antonietta de Farias Portocarrero. Consagrou-se no teatro, cinema e televisão.

Sua estreia no palco foi com a peça Um Deus Dormiu Lá em Casa, no Teatro Brasileiro de Comédia, em São Paulo, ao lado do ator Paulo Autran, com quem mais tarde dirigiu uma companhia de teatro.

Na TV, ficou conhecida na década de 1980 no papel da personagem Stella Fraga Simpson, da telenovela Água Viva, do autor Gilberto Braga. No cinema, fez diversos filmes, como Tico-Tico no Fubá e É Proibido Beijar. Seu último trabalho na televisão foi na telenovela Senhora do Destino, em 2004.
O presidente Michel Temer lamentou, neste domingo, a morte da atriz Tônia Carrero. “O Brasil se entristece com a morte de Tônia Carrero. A TV, o cinema e o teatro ficam com a marca indelével de seu grande talento”, afirmou Temer, em sua conta no Twitter.

A morte da atriz Tônia Carrero significa para seu neto, o diretor teatral Carlos Thiré, não um momento de tristeza, mas de saudade. Em entrevista à imprensa durante o velório da atriz, Carlos disse que é difícil admitir que chegou o dia de se despedir da avó, a pessoa mais forte que conheceu em toda a vida. Ela conseguiu fazer da vida exatamente o que pretendeu, afirmou Carlos.

Tônia Carrero, que estava com 95 anos, foi diagnosticada com hidrocefalia em 1999. A doença consiste em acúmulo de líquido, o que provoca pressão no cérebro e afeta os movimentos e a fala. Parentes, amigos, colegas de profissão e muitos fãs foram ontem ao teatro para se despedir de Tônia.








AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018